Respirando Arquitetura

Há mais de 28 anos na profissão, Rosana Celano imprime um estilo clássico com leveza e elementos contemporâneos aos ambientes que projeta. Em entrevista ao Radar Decoração, a arquiteta afirma que quando o assunto é arquitetura, tudo pode ser inspiração: “Quem gosta de arquitetura, respira arquitetura. Ela está presente em tudo, basta estar atento”.

 

RD: Por que você escolheu essa profissão?
R.C: Acho que só poderia ser arquiteta ou qualquer outra profissão ligada à arte.

RD: Como você define seu estilo de trabalho e como foi o caminho que percorreu para desenvolvê-lo?
R.C: Gosto do equilíbrio alcançado pela mistura do estilo clássico leve com elementos contemporâneos. Esse gosto foi sendo apurado através de muita pesquisa e prática ao longo dos anos de trabalho.

RD: O que você considera essencial em qualquer bom projeto de interiores?
R.C: Usar seus conhecimentos para traduzir o sonho do cliente, mas sempre respeitando o comportamento familiar. A casa é para o cliente, e não para o arquiteto.

RD: Qual a importância de materiais sustentáveis no seu trabalho?
R.C: Essa é uma realidade sobre a qual, aos poucos, tentamos conscientizar os clientes. Procuro sempre aproveitar tudo o que é possível, sem desperdiçar e jogar fora o que é bom.

RD: De onde vem a sua inspiração?
R.C: Quem gosta de arquitetura, respira arquitetura. Ela está presente em tudo, basta estar atento. Tudo pode ser inspiração.

RD: Quais são suas cores favoritas no décor?
R.C: Prefiro as cores neutras como base da decoração e trabalhar com tons mais fortes nos objetos, nas obras de arte, tapetes, etc.

RD: Forma, função ou emoção?
R.C: Na arquitetura forma, função e emoção são conceitos que se misturam. Mas em se tratando de arquitetura de interiores, a função tem que prevalecer.

RD: Quais você acredita serem as peculiaridades do mercado carioca? O que falta nele?
R.C: Estou atuando há mais de 28 anos e posso dizer que vi o mercado carioca crescer muito tratando-se de arquitetura de interiores. Eventos como o Casa Cor Rio e outros contribuíram muito para esse crescimento. Eles ajudaram a quebrar o tabu de se contratar um arquiteto para reformar casas e realizar o sonho de morar com conforto. Para alimentar essa nova demanda, o mercado, consequentemente, cresceu. Novos profissionais surgiram, assim, como novos materiais e tecnologias. A indústria moveleira, por exemplo, se beneficiou muito com a importação de maquinários de alta tecnologia. Isso acabou proporcionando muitas novidades aos profissionais da área. O que sinto falta, na verdade, no mercado do Rio de Janeiro, é de uma melhor qualificação dos profissionais nos setores que nos atendem. Talvez um treinamento mais profissional de gestão de pessoas, de controle interno das empresas e de logística possa melhorar essa relação entre mercado, arquiteto e, principalmente, cliente final.

RD: Como é a sua casa? O que você gosta de ter nela?
R.C: Sou suspeita para falar dela. Minha casa é preservada pelo Patrimônio e foi toda restaurada. Todos os espaços foram carinhosamente projetados. Por isso, gosto de todos. Mas gosto em especial da sala e cozinha, que, separadamente, se integram à área externa.

RD: Que projetos entregou recentemente que gostaria de destacar?
R.C: Destacaria a reforma de uma casa na Barra da Tijuca. A transformação foi grande e ficou muito bacana.

RD: Que projetos está fazendo atualmente? Algum que curte em especial?
R.C: Tenho clientes antigos e queridos que sempre me trazem novos clientes também queridos. Portanto, todos os projetos eu considero especiais.

RD: Algum projeto que sonha em fazer e nunca fez?
R.C: Sim. Trabalhar uma residência como a da Casa Cor de Laranjeiras seria um sonho.

RD: Quem são seus designers de mobiliário favoritos?
R.C: Sérgio Rodrigues, Jorge Zalszupin, Etel Carmona, Lia Siqueira e Carlos Motta.

RD: Qual o maior aprendizado nos anos de profissão?
R.C: Além do aprendizado técnico, sem dúvida, destaco o equilíbrio emocional que adquiri com tantas experiências no relacionamento com clientes e profissionais.
Foto de Divulgação

 

Comentar

Seu email nunca será publicado ou distribuído.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>