Eles enumeram várias vantagens no trabalho em dupla e demonstram uma harmonia incrível em seus projetos, sempre estilosos e com assinatura. Os arquitetos Alexandre Lobo e Fabio Cardoso contaram tudo sobre a parceria em entrevista ao Radar Decoração e afirmaram: ” Sempre procuramos imprimir em nossos projetos os desejos dos clientes, afinal são eles que estarão em contato com o trabalho diariamente, e não nós. É claro que nossa assinatura vai nesse pacote, o que torna o resultado muito bacana, pois aliamos os desejos deles com a nossa expertise.

 

RD: Por que vocês escolheram essa profissão?
A.L e F.C: Nós dois, desde pequenos, já tinhamos um olhar para a arquitetura, ainda que não alcançássemos isso na época. Hoje é que entendemos como os elementos arquitetônicos já atraíam nosso olhar.

 

RD: Como vocês definem seu estilo de trabalho e como foi o caminho que percorreram para desenvolvê-lo?
A.L e F.C: Se tívéssemos que entitular o estilo que imprimimos diriamos que seria o contemporâneo. Porém nós procuramos não nos prender a padrões estéticos. Sempre procuramos imprimir em nossos projetos os desejos dos clientes, afinal são eles que estarão em contato com o trabalho diariamente, e não nós. Sempre projetamos as casas com a cara deles. É claro que nossa assinatura vai nesse pacote, o que torna o resultado muito bacana, pois aliamos os desejos deles com a nossa expertise. Essa linguagem veio sendo criada desde nossos primeiros projetos, há cerca de 17 anos. Com o tempo e amadurecimento do nosso trabalho nós fomos polindo as arestas e chegamos à nossa linguagem própria.

 

RD: Quais são as vantagens de trabalhar em dupla? Vocês dividem o trabalho de alguma forma específica?
A.L e F.C: São várias! Trabalhar a 4 mãos nas discussões de projetos é a maior delas. Dessa forma, um critica as colocaçoes do outro, o que faz com que o resultado final seja melhor. Outra grande vantagem é que nós temos personalidades bem diferentes e isso reflete nos projeto. O que se tira de bom nisso é que um completa o outro, não só na criação como também na direção do nosso escritório. Quanto à divisão dos trabalhos, sempre criamos  juntos, mas no desenrolar da relação com os clientes pode ser que haja uma afinidade maior por parte deles com um de nós, aí deixamos fluir naturalmente.

 

RD: De onde vem a inspiração?
A.L e F.C: Ah… A inspiração vem de todas as partes. Acho que arquiteto, como outras profissões específicas, tem o olhar treinado. Tudo é inspiração e, sem dúvida, as viagens acrescentam muito.

 

RD: Qual o estilo das suas casas? O que vocês gostam de ter nelas?
A.L e F.C: Como falamos acima, poderíamos citar que o estilo é contemporâneo. Tanto na arquitetura em si como na arquitetura de interiores. Gostamos de privilegiar as circulações e manter uma boa luminosidade. Preservado isto, damos andamento aos projetos adequando a funcionalidade à estética, pois de nada vale uma casa bonita que não funcione. Nós ficamos bem atentos a isto e achamos que de certa forma esse é um dos grandes motivos pelo qual nossos clientes retornam sempre para a gente, pois têm a referência de que ocuparam um espaço que além de bonito foi funcional.

 

RD: Que projetos estão fazendo atualmente e gostariam de destacar?
A.L e F.C: Nosso escritório veio crescendo com o passar dos anos e já estamos fazendo incursões na escala urbana. Atualmente o projeto de maior visibilidade e porte dentro do nosso escritório é o projeto da ciclovia que será executada interligando os bairros de São Conrado e Barra da Tijuca. Foi um projeto bem interessante de fazer, que nos requereu bastante estudo. Agora é só aguardar a execução. No mais, estamos entregando um projeto de uma casa com campo de futebol, brinquedoteca e cinema para 12 pessoas com todo conforto, com direito a piso elevado, bombonière e foyer… Está ficando incrível!

 

RD: Algum projeto que sonham em fazer e nunca fizeram?
A.L e F.C: Sempre nos vem em mente um apartamento em NY. Este ainda não fizemos.

 

RD: Quais vocês acreditam serem as peculiaridades do mercado carioca? Qual o papel ou importância do Rio dentro do mercado brasileiro de arquitetura e decoração? O que falta no Rio?
A.L e F.C: Achamos sim que o Rio é um grande polo de arquitetura e de decoração e com um grande potencial. Só sentimos ainda falta de profissionalismo e comprometimento dos prestadores de serviço, como encontramos em São Paulo, por exemplo. Acreditamos também que ainda falta ao carioca a cultura de investir mais nessa área. Ainda os sentimos tímidos de um modo geral.

 

RD: Quem são seus designers de mobiliário favoritos?
A.L e F.C: Da atualidade, acho que destacariamos o mestre Sergio Rodrigues, o jovem Jader Almeida e a Etel Carmona, que para nós, que já trabalhamos dentro de uma marcenaria, nos deixa fascinado com sua habilidade de trabalhar a madeira.

 

RD: Quais suas cores favoritas no décor?
A.L e F.C: Hoje o branco e o cinza, afinal as coisas são cíclicas.

 

RD: Forma, função ou emoção?
A.L e F.C: Sem dúvida, as três em comunhão.

 

RD: Qual o maior aprendizado nos anos de profissão?
A.L e F.C: Tivemos a oportunidade de conhecermos a nós mesmos, amadurecendo nosso trabalho, sempre na busca incessante de conhecimento.

Foto: MCA Estúdio