Na individual Coletivos, Myriam Glatt expõe sua produção pautada por uma repetição de objetos da natureza como pedras, pessoas, bananas e florais.

A artista exibe sua coletiva na Galeria Toulouse trazendo novas séries de 18 obras em média entre 2 a 1.60 metros, pinturas e tridimensionais, onde o excesso não é um dado a ser combatido na mostra.

Os elementos retratados são 5, entre eles: pedras, sementes, bananas, flores e nuvens, exibidos em um movimento duplo: um com suas especificidades em comparação a outros motivos que estão próximos, e o outro a conferir, pelo acúmulo, uma característica serial que se sobrepõe ao particular. A obra lida com relações paradoxais e conflitantes entre o público e o privado, o seriado e o manual, o transitório e o permanente. Desta forma Myriam Glatt põe em xeque pensamentos e abordagens comuns da contemporaneidade.

Veja nas fotos de Marco Rodrigues quem passou por lá…