Em seu mais novo trabalho, “Das Amarras”, que fica em exposição na Luciana Caravello Arte Contemporânea entre 22 de maio e 20 de junho, Afonso Tostes mostra nove peças que tratam do céu, do mar e de destroços encontrados nas praias. O próprio artista se questiona: “Entre o céu e o mar cabe muita pergunta, e vou tentar jogar com todas” e acredita também na religiosidade influenciando o seu trabalho: “Que os Deuses gregos e Orixás que sempre estão em todos os lugares iluminem as buscas”.

O ponto principal dessa mostra de Afonso Tostes é, mais uma vez, uma visita a Homero. A Odisséia é agora a sua motivação maior, como explica o acadêmico Alexandre Costa, que assina o texto da exposição.

Odisseu quer tornar à casa. Lá está sua mulher, seu filho, sua terra. A falta deles nutre os seus movimentos e sua força, e bem mais que o leme, o remo e o barco, é o seu desejo que guia o retorno. Rodeado de mar e de céu, Odisseu também os têm contra si, e lança-se acima e abaixo deles, manejando toda a potência de seu engenho e de sua arte para superá-los. Se o desejo guia a sua viagem, seus truques e invenções – a sua poesia – são as ferramentas que lhe garantem sucesso.

Para Alexandre Costa, é este cenário, tão cheio de céu e mar, que o artista acolhe na sua pintura, trazendo-o à tela na forma e na ordem de distintos azuis. É este o seu primeiro plano, em cores e formas que o artista limita à superfície. Mas sua arte reconhece que as estórias de Odisseu, amarradas ao fio das palavras de Homero, não se esgotam em mar e céu: elas exigem que se inclua nessa paisagem aquele que é capaz de narrá-la.

Abertura – 21 de maio das 19h às 22h (manobristas no local)

Visitação – 22 de maio a 20 de junho

 

Luciana Caravello Arte Contemporânea – Ipanema

Tel. 2523-4696

Horário de visitação:

2ª a 6ª de 10h às 19h

Sábado de 11h às 14h

Fotos: Paulo Jabor