O Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro abriu no dia 2 de março, sábado, a exposição “Lugar nenhum”, com 56 obras – entre pinturas e fotografias – produzidas por oito artistas brasileiros contemporâneos: Ana Prata, Celina Yamauchi, Lina Kim, Luiza Baldan, Marina Rheingantz, Rodrigo Andrade, Rubens Mano e Sofia Borges. Os curadores Lorenzo Mammì, crítico de arte, e Heloisa Espada, coordenadora de artes visuais do IMS, partiram da constatação de que um número significativo de fotógrafos e pintores contemporâneos brasileiros se interessam por assuntos comuns: lugares quase sempre vazios e anônimos, objetos e situações triviais. Por isso, o título da exposição está diretamente ligado ao conceito de terrain vague (terreno vago) – cunhado pelo arquiteto catalão Ignasi de Solá-Morales –, que são espaços aparentemente esquecidos, vazios, que no presente evidenciam um resquício do passado. Confira a abertura nas fotos de Paulo Jabur.