A coluna Em Casa, por Márcia Muller, trouxe em nota: “Acho sempre engraçado quando falam que aquele rosa choque é incrível, ou o azul Yves Klein é lindo, ou o verde bandeira é sensacional… Enfim, os nomes das cores nem sempre estão associados a elas, assim como pessoas muitas vezes não combinam com o nome – esperamos uma Maria e vem uma Frederica e vice – versa. As cores, assim como nós, provocam sensações incríveis, capazes de modificar nosso humor, nosso dia e isso sem falar no nosso ambiente – no espaço em si! Aumentando, diminuindo, oprimindo ou relaxando … Eu pessoalmente adoro cor, acho ambientes claros sempre melhores, mas isso não significa ambientes de cores bege e branco com madeira e ponto. O que é esperado e comum não te personaliza e torna o seu ambiente comercial e não pessoal. A cor sempre vai representar você, muito além de fugir do comum, do esperado e da tão chata tendência. Tendência soa como estar na moda e isso é tudo que não personaliza ninguém, muito menos a sua casa. Então, nada de ter medo de cor, e se você for apresentado a alguma cor que tem a palavra choque no final, não se impressione. Muitas vezes essa cor não te dá choque nenhum, muito pelo contrário! Confie na sensação que a cor te proporciona. Amo verdes bem fortes com cinza e madeira, porque adoro a natureza e todos seus tons. Azuis idem… Enfim… Ache sua cor e use-a em casa, pois aí esta a sua marca…”. Leia mais no blog.

Fonte: Lu Lacerda/13/05/15

http://lulacerda.ig.com.br/em-casa-por-marcia-muller-cores/