A coluna Design Rio informou em matéria: “Nem só de plumas, paetês e arte é feito um desfile de escola de Samba. É preciso ter projeto. E, de preferência, assinado por um profissional que entenda do riscado. À medida que o carnaval foi se tornando mais sofisticado, com carros alegóricos cada vez mais mirabolantes, a figurado arquiteto, responsável pelo desenho das alegorias e, em alguns casos, pela gestão do próprio processo de produção do desfile, passou a ser elemento indispensável à harmonia da agremiação: dentro e fora da Marquês de Sapucaí. Tanto que no quadro de funcionários das principais escolas cariocas há bacharéis em arquitetura ocupando postos que vão de assistente de carnavalesco a diretor de barracão. Uma gente afinada com as proporções da alegoria e com o enredo, que foi mordida pelo bichinho do samba”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Rio/Design Rio/Reportagem: Paula Autran e Simone Candida/09/02/14