O Segundo Caderno publicou em reportagem: “Gaiola de passarinho e samambaia na varanda, cobogó enfeita o muro, baixinho, só pra separar olhado de dentro da casa e a rua, onde um pequeno comércio anuncia de roupas ao conserto de panelas de pressão. São todos elementos da Arquitetura Popular Brasileiro, ou APB, como abrevia o arquiteto alemão Rainer Hehl, que coordena um curso na ETH Zurich, uma das mais importantes universidades politécnicas da Europa, sobre arquitetura de regiões emergentes”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Segundo Caderno/ Reportagem: Audrey Furlaneto/ 28/06/2013