Idealizada pelo arquiteto mexicano Eduardo Zarza, a capela tem formato octogonal, paredes de taipa (terra batida) e janelas de vidro que vão do teto ao chão e transformam a paisagem natural em uma espécie de pintura. A iluminação modular é outro destaque e permite criar diferentes cenários para cada ocasião, iluminando inclusive a vegetação nativa.  Os materiais foram escolhidos de forma a fazer com que a construção interviesse o mínimo possível no meio ambiente. A ideia da construção não era criar algo em que a arquitetura fosse comtemplada e sim a natureza.
 
Além do aspecto ecológico, a construção ainda vislumbra um aspecto pedagógico, explica o arquiteto. “Espero que o uso desse tipo de técnica possa inspirar os jovens estudantes para olhar o futuro da arquitetura com outros olhos e entender a responsabilidade individual e coletiva do cuidado com a Nossa Casa”, conclui Zarza.

 

Estrutura da Capela ‘Recanto Manresa’, do Colégio dos Jesuítas de Juiz de Fora — Foto: Bruno Meneghuitti/Divulgação

 

Nas paredes, as pinturas religiosas do artista brasileiro Anderson Augusto foram encomendadas especialmente para o projeto e ganham iluminação especial.
 
Pintura na Capela 'Recanto Manresa', do Colégio dos Jesuítas de Juiz de Fora — Foto: Bruno Meneghuitti/Divulgação