Muita obra de arte e espaços feitos especialmente para o público masculino. Estas são algumas das novidades da 21a edição do Casa Cor. O Radar Decoração está de olho, trazendo para os leitores detalhes de cada cantinho da mostra.

ÁTRIO por Geraldo Lamego

As obras de arte já aparecem na entrada da casa, no Átrio, assinado por Geraldo Lamego. Os rebaixos que formam quadros, já existentes nas paredes, foram mantidos, forrados de palha em tom prata de Ralph Lauren e preenchidos por gravuras modernas em preto e branco. Há também dois óleos de autoria de Lamego. O tons de bege e cinza do mosaico do piso original são usados nos tecidos dos estofados. Gostamos muito dos lustres clássicos repaginados.

SALA DE MÚSICA, por Lia Lamego e Mônica Camargo

Esse é um espaço que agradou em cheio a equipe do Radar Decoração. Afinal, a proposta das arquitetas é simples e necessária para os dias de hoje: resgatar o hábito de chegar em casa e ouvir uma boa música, em vez de correr para a televisão ou o computador. As paredes são decoradas com capas de discos que marcaram época. A grande estrela do ambiente é o áudio, claro. Lia Lamego e Mônica Camargo trouxeram para o Casa Cor um equipamento de vinil de alta performance da marca MBL, importado da Áustria pela empresa Logical Design. Trata-se de um equipamento realmente especial, indicado para audófilos. Não à toa, a dupla de uma caixa de som do tipo chega a custar R$ 1 milhão. No Mobiliário, destaque para o banco com encosto alto em marcenaria, desenhado pelas arquitetas; para as poltronas Mosaico, supercoloridas, de Marcus Ferreira, e para os pufes, da Novo Ambiente.

ADEGA, por Carlos Murdoch, Georgia Montovan e Luciana Sodre

A estante que se espicha até o teto pode ser ousada demais, mas não deixa de ser divertida. Desenhada especialmente para a mostra, foi feita usando tecnologia de projeto 3D paramétrico, a mesma usada no museu Guggenheim, de Bilbao, Espanha. A ideia, explicam os arquitetos, é fazer uma alusão ao interior das antigas caves, mas com um design arrojado. O ambiente é predominantemente branco (presente nas bancadas de marmoglass e na tal estante). Há também uma parede em tom de vinho tinto, criando um contraste interessante. A iluminação em led e materiais reciclados e recicláveis após a mostra dão o toque sustentável ao ambiente.

COZINHA GOURMET, por Guilherme Osborne e Andrea Duarte

Essa cozinha gourmet está longe de ser um espaço mulherzinha. Feita em homenagem ao chef Felipe Bronze ela tem muita madeira, laca, aço. Como conta a arquiteta Andrea Duarte, esse é um espaço masculino, para experiências de um chef de cuisine, e não a cozinha da família. Em torno da mesa de jantar em laca preta, da Novo Ambiente, cadeiras de demolição da Oficina Inglesa. Uma mistura de estilos combinada aos azulejos art nouveau originais. O cardápio do Oro – restaurante de Bronze – ganhou moldura e enfeita a parede.