A CasaCor Ceará 2019 abriu as portas da 21ª edição no dia 12 de setembro revelando a edição mais sustentável de suas raízes que já houve. A aplicação do conceito de sustentabilidade aconteceu em sua concepção mais completa. Toda a obra e os espaços utilizaram ao máximo os recursos e os produtores locais, além de priorizar a reutilização e a ressignificação de materiais e objetos. Esta inspiração também impulsionou a escolha de métodos construtivos mais eficientes, com o mínimo de resíduos e reutilização da água. Pela primeira vez, aliás, CASACOR Ceará abriga uma máquina de compostagem. Ela utiliza o lixo orgânico do restaurante, café e bar para gerar o adubo que alimenta os jardins e as mudas de plantas, à disposição dos visitantes.

Com 10 mil metros quadrados de área, a sede inclui uma residência e um prédio comercial projetados pelo renomado arquiteto Acácio Gil Borsoi. Um dos destaques fica por conta do jardim, com projeto original restaurado do paisagista Roberto Burle Marx. O local serviu de moradia para Benedito Macedo e sua família até 1975, quando passou a pertencer ao grupo J.Macêdo.  Confira os  39 ambientes nas fotos de Esdras Guimarães e Victor Eleutério:

 

      Casa Nômade – Ramiro Mendes. Inspirada na Beat Generation, grupo de escritores e poetas norte-americanos das décadas de 1950 e 1960 de vida nômade, e na obra On The Road, de Jack Kerouac, a casa é o local onde inquietudes podem ser tranquilizadas. Foi pensada para apaixonados por café, literatura, jazz, meditação e com ânsia de correr o mundo, para descansar e se preparar para a próxima aventura. No ambiente, um belo jardim, uma sala para receber amigos com varanda e uma banheira de imersão, além de uma prática e bem equipada cozinha com uma grande mesa de madeira natural e produtos modernos. A suíte conta com bancada para estudos, cama confortável, closet e um banheiro todo revestido com pedras naturais e vista para o jardim da casa. Na paleta de cores, tons suaves.

 

Sala de Visitas – Brenda Rolim. O ambiente traz o conceito da típica sala de visitas do passado: receber e comunicar aos visitantes os gostos e valores de seus moradores. Em um vão encimado por uma abóbada de berço atirantada, a sala associa ao espaço materiais e mobiliários procedentes do Nordeste. Muito do que já existia foi reparado e limpo: a textura de concreto da abóbada; as esquadrias; os tijolos aparentes. O conjunto de peças moduladas formam um layout que permite novos arranjos do espaço. Destaque para o reaproveitamento de móveis e matérias-primas. O sofá, por exemplo, é o mesmo que foi usado no ano anterior no ambiente e o piso foi desenvolvido com sobras de corte da indústria.

 

Suíte da Filha – Amaury Jr. Inspirada numa jovem cheia de personalidade que gosta de receber as amigas no seu cantinho. Dividida em quarto, closet e banheiro, a suíte conta também com um espaço com sofá e mesa para estudo e reuniões. A escolha dos tons terrosos trazem um toque acolhedor enquanto o jardim suspenso e o revestimento de tijolinho dão um ar de aconchego e personalidade ao ambiente. O conceito de closet aberto tem cabideiros de piso sob medida que auxiliam na escolha dos looks.

 

Cozinha Dona Benta – Vinícius Ferreira. A Cozinha Dona Benta é inspirada no resgate de elementos naturais, fazendo uma releitura das bancadas de cozinhas tradicionais, com espaços integrados. A harmonia é essencial para receber convidados. Os tons mais escuros e terrosos, unificados com estruturas metálicas, tornaram o espaço moderno e arrojado, indo além da funcionalidade. Os detalhes remetem ao passado, às emoções vividas através dos sentidos. Na identidade olfativa do ambiente, a baunilha desperta as memórias do bolo da vovó. O regionalismo é sentido na textura das panelas de barro e nas luminárias feitas com matérias-primas cearenses, que evidencia a personalidade forte da cultura local.

 

Raízes – Adelina Feitosa e Manuela Cidrão. Com o conceito de resgate das raízes cearenses, o espaço une arquitetura, paisagismo, sustentabilidade, música e poesia. Uma moderna “oca” em estrutura metálica, coberta por uma sofisticada trama feita de palha de carnaúba, pousa sob um espelho d’água. Os visitantes podem contemplar o jardim acomodados em uma jangada cedida por uma colônia de pescadores. Almofadões e redes proporcionam uma experiência na grande oca, ao som de pássaros do sertão.

 

 

Sala de Jantar – Cláudia Castelo Branco. Com o intuito de ser um espaço fluido e autêntico, a Sala de Jantar traz uma decoração elegante, a partir de um projeto minimalista, com cores sóbrias e discretas, em um ambiente amplo e confortável, cheio de obras de arte e materiais nobres. Painéis madeirados e ripados abraçam a sala, integrada ao open bar, formando um ambiente funcional e aconchegante. Os tapetes exclusivos e mobiliário de design se destacam, assim como cortinas e persianas motorizadas, em tons suaves. Obras de arte e esculturas expostas ornam o ambiente. O open bar, com adega e cervejeira, convida para um momento de descontração e de convivência.

 

Cozinha de Origem – Ana Virginia Furlani. O ambiente é um resgate de todas as cozinhas que a arquiteta carrega na memória, com elementos que fazem referência a essas lembranças. O terracota, a cor do barro, é adotado em piso, parede e teto, tanto no ladrilho quanto na textura. A iluminação é indireta, aconchegante. O mobiliário de cozinha é à mostra, permitindo que o chef veja tudo que está disposto nas prateleiras e estantes. No mobiliário solto, poucas porém marcantes peças. A mesa de mais de 6 metros de comprimento convida o visitante a se sentar e a compartilhar
a experiência com os demais. O único bloco de enormes sofás cria uma sensação de cozinha de estar. 

 

Oásis tropical – Thiago Borges. O contato com a natureza é o ponto-chave do ambiente, que tem como elemento principal a piscina natural. Desenvolvida a partir de uma filtragem especial, que gera uma água 100% transparente e sem aditivos químicos, a atração funciona como um lago, permitindo que as pessoas tomem banho e interajam com peixes e plantas aquáticas. Dividida em três níveis, a piscina conta com queda d’água, área exclusiva para plantas e a parte de banho.

 

Canteiros – Arthur Bonavides. Com uma proposta de um ambiente intimista, a disposição dos elementos que compõem o espaço traduz uma harmonia perfeita capaz de instigar os sentidos, fazendo uma conexão direta entre o homem e a naturez. As esculturas vivas, feitas de jabuticabeiras, pata de elefante e palmeira laca, transcendem emoções e são contempladas como obras de arte. Para compor o espaço, espelhos d’água em pontos estratégicos possibilitam o reflexo do ambiente, proporcionando percepções visuais e auditivas.

 

Casa Ninkasi | Bar do Austin – Afonso Tomoda. O ambiente, que abriga o Bar do Austin, foi inspirado na deusa Ninkasi, deusa do álcool, criada para satisfazer o desejo e saciar o coração. A construção sustentável tem como materiais o aço, placas de dry wall e pedra, dando um toque industrial ao projeto. A árvore da casa compõe o ambiente suspenso, transmitindo a ideia de um bar flutuante. No mobiliário solto, cadeiras que sofreram carbonização e restauro, bancos e uma peça assinada por Sérgio Rodrigues. A iluminação intimista garante aconchego e a fachada chama atenção pela estrutura em balanço.

 

Casa Bauhaus | Espaço Deca – Rosalinda Pinheiro. No ano de comemoração do centenário da Bauhaus, uma casa modernista de 52m² homenageia a escola que revolucionou o design mundial e que ainda influencia muitos designers. São dois níveis: o térreo estilo loft, com cozinha gourmet integrada e grande sala, e o terraço superior, com bancada gourmet de apoio, uma mesa ampla e estar com cadeiras confortáveis. A horta é um dos destaques do projeto.

 

Jardim dos Lagos – Mercado das Flores. Inspirado no já existente jardim projetado por Burle Marx, o Mercado das Flores homenageia o artista plástico brasileiro que impulsionou o paisagismo no Brasil. A proposta é conectar a natureza e a decoração, inspirando bem-estar e aconchego. Com uma variedade de flores e plantas ornamentais, bem como artigos de decoração e ferramentas, o ambientes ainda é utilizado para oficinas gratuitas, tornando-se um ponto de encontro para os entusiastas do verde. O espaço concretiza de forma clara e harmônica a combinação de plantas e flores em ambientes reais.

 

Estar Bem-estar – Joana Figueirêdo. O Estar Bem-estar é uma mistura de emoções, estilos, personalidades e elementos. As cores utilizadas são inspiradas na mãe na arquiteta. Tons sobre tons remetem ao aconchego, bem-estar e ao acolhimento, dando boas-vindas ao visitante. As cores fortes vêm das memórias da infância e os tons mais claros proporcionam um ar de sofisticação e alegria. O teto curvo já existente contrasta com elementos mais orgânicos. O amadeirado dá um toque rústico, sem deixar que prevaleça sobre o estilo contemporâneo. Para finalizar, os perfis na cor preta, contornando todas as paredes, finalizam o quebra-cabeça, dando ao ambiente um ar ainda mais moderno e imponente, conectando todos os elementos.

 

Lounge do Publisher – Roberto Pamplona Jr. Em homenagem aos 10 anos de atuação de Adriano Nogueira como editor e jornalista à frente da revista Tapis Rouge, o lounge foi criado para receber convidados e visitantes, com uma locação diferente: o grande living é embaixo de frondosas árvores do local, com seus troncos sinuosos que parecem esculturas. A estrutura leve metálica da cobertura recebeu plástico cristal, assim as copas das árvores pode ser vistas de dentro.

 

Meu Lugar no Mundo – Carlos Otávio Arquitetura & Interiores. Como um refúgio urbano, o loft é inspirado em um casal cosmopolita que vive entre dois países. O ambiente simboliza o acolhimento e a afetividade do lar, unindo as necessidades do homem contemporâneo a elementos naturais, como a pedra, a madeira, a palha e o metal, associando modernidade com regionalismo.

 

Sertão Grego – Ney Filho. A concepção do espaço, onde opera o restaurante Zoi, do Colosso Fortaleza, foi baseada numa viagem astral para um mundo onde a Grécia e o sertão cearense formavam uma só terra. Nessa mistura, a mitologia, a fauna, a flora e a arquitetura fazem uma combinação
inusitada e feliz. De onde vêm os mitos? Quais suas origens? O sertão vai virar mar, e esse mar pode ser o mediterrâneo? No sonho, tudo pode. Um espaço perfeito para comer, beber e ser feliz. Os painéis são os pontos a serem observados com mais atenção. Neles é possível ver toda concepção do ambiente.

 

Casinha com Varanda / Lavabos Publicos – João Dias. O ambiente foi inspirado no estilo brutalista, com estética crua e minimalista, ângulos, formas geométricas e um pé direito duplo. Nele ficam as cabines, com diferentes temas, e um salão com lavabos e um espaço para se maquiar. O branco e o dourado, as cores e as texturas, no piso e nas paredes, somam-se ao grande teto no tom bordô, de onde desce água até o espelho circundado pelas cubas. Na área externa, uma varanda, que funciona como ponto de encontro e descanso, valoriza a contemplação da vegetação do local. Peças da arte, design e do artesanato cearense dão o toque final.

.  

Bilheteria e Sala de Segurança – Leonardo Freire. Inspirada em sustentabilidade e intimidade, a Bilheteria e Sala de Segurança, espaço de entrada e saída da casa, faz apelo sustentável através de materiais, mobiliários e ainda uma enorme fluidez sem o uso de esquadrias. O objetivo é invadir o espaço interno com a área de jardim, de maneira intimista, criando um contraponto com a dureza de materiais e a frieza das cores brutas. As cores vêm da flora, com suas diferentes tonalidades de verdes e cores vibrantes.

 

Loft Mature – Thiago Von Paumgartten e Tildchen Von Paumgartten. O ambiente foi idealizado e planejado para uma mulher moderna, independente e dinâmica no auge da melhor idade. O projeto prioriza a amplitude, as paletas de cores energizantes, o uso do artesanato e a exploração da cultura regional e da identidade pessoal. Alia conforto e tecnologia e ao mesmo tempo proporciona a introspecção. Os elementos contam a sua origem, suas bases sólidas trilhadas em sua trajetória. O moderno e contemporâneo representam onde ela quer chegar.

 

Café Urbano – Diego Studart. Com a proposta de fazer os visitantes e clientes se sentirem à vontade, o projeto do Le Pain Le Cafe, instalado entre quatro árvores, traz inspirações em cafeterias de todo mundo, com ar de delicatessen. Na vitrine, produtos que podem ser adquiridos e consumidos na hora. A iluminação baixa, que dá um toque rústico e sofisticado, e o cimento queimado destacam os ladrilhos pretos e brancos e o marsala dos detalhes. Na área externa, as mesas sob as árvores criam um clima de “café de rua”.

 

Suíte XX – Anik Mourão. O projeto busca resgatar as raízes e os anseios do movimento modernista, integrando o charme e sinuosidade dos estilos clássicos de forma mais leve e contemporânea e dialogando com a arquitetura do imóvel. O projeto valoriza os materiais naturais e possui uma planta livre, fluida e integrada, com peças clássicas do design, além de mobiliário e marcenaria assinados pela arquiteta.

 

Praça CASACOR – Campelo Costa, Joaquim Cartaxo e Romeu Duarte. Em um piso em bloquete pintado com disposição em xadrez, cuja malha decorre dos pilares do térreo do imóvel, a praça é destinada aos eventos e ações da CASACOR Ceará, formando um espaço de integração e entretenimento. As jardineiras, já existentes no ambiente, emolduram e delimitam a área. Destaque para os homenageados: Grupo J. Macêdo, Acácio Gil Borsói, Janete Costa e Roberto Burle Marx.

 

Suíte Hard Rock Hotel – Alexandre Matos. O espaço é uma apresentação da suíte do empreendimento. A arquitetura é pensada para encantar, apresentando uma mistura da marca com o regionalismo, tornando cada espaço um ambiente único, gerando uma experiência diferente a cada momento, com conforto, exclusividade e sofisticação. Texturas e paleta de cores se destacam, além do design, em harmonia com a atmosfera do local, tornando o ambiente familiar e propício para o desfrute dos equipamentos do hotel.

 

Sala da Família-Trê Arquitetura. As arquitetas escolheram o tema afetividade como ponto de partida para o projeto. O ambiente foi pensado para ser acolhedor, repleto de memórias e convidativo, para vivenciar os melhores e mais despretensiosos momentos em família. O uso de cores mais suaves e neutras com toques de caramelo e verde enfatiza essa atmosfera confortável.

 

Sala de Cinema da Família – Luara Ciarlini e Pedro Paulo Rolim. O ambiente une tecnologia, sofisticação e conforto para diferentes propostas de uso. É um local para estar, se relacionar e interagir, tendo a tecnologia como aliada para momentos de concentração em filmes ou encontros descontraídos. O projeto associa a tecnologia da luminotécnica, áudio, vídeo e automação à afetividade do estar e reunir a família e amigos para momentos e experiências.

 

Biblioteca Paraíso – Érico Monteiro. Na fazenda Canhotinho, do empresário José Macêdo, havia um açude chamado Paraíso. E foi do açude e do clima rural que nasceu o ambiente, com base desconstruída e focado na sustentabilidade. Tendo as paredes brancas como ponto de partida, a proposta é transportar os visitantes para um estábulo, um celeiro, com elementos-chave. Teto e portas foram restaurados e limpos e o gradio de madeira já existente, que segurava os lambris da casa, hoje exibe objetos de decoração e obras de arte. Com mínimas intervenções, a biblioteca é uma homenagem poética aos familiares e uma viagem para os visitantes.

 

Escritório A Voz do Verso – Coletânea Arquitetos. A Voz do Verso surgiu de uma necessidade em romper com a tradição do escritório como ambiente masculino, dando voz a todas as mulheres através de uma atmosfera interativa, de imersão em sons e sentidos. As arquitetas buscaram a arte e a música como formas de representar essa voz no espaço, trazendo traços da cantora Giovana Bezerra materializados desde a entrada, através de uma grande parede repleta de interpretações pessoais que guia o visitante até o lavabo. O cenário traz uma instalação de galhos secos invertidos, que remete à mente criativa da artista, num outono de pensamentos que surgem e seguem através do tempo. O ambiente é assinado por Manoella Linhares e Natália Benevides.

 

Terraço da Família – Cibele Parreiras. O ambiente estimula a convivência familiar e o desfrute de momentos de tranquilidade nos variados espaços. A mesa convida para refeições saborosas, conversas e a recepção de pessoas queridas. Ao ar livre, o lago, com bordas delimitadas por pedras de rio, convida para um mergulho dos pés e um maior contato com a natureza, presente no jardim natural. A rede na entrada remete aos costumes regionais, dando sensação de liberdade a quem a usufrui. Um espaço de oração e um dedicado ao café complementam o ambiente. Na cartela de cores, terracota, verde água, rosa seco, coral e verde limão conversam com tons amadeirados. A sustentabilidade está nas madeiras de reflorestamento, no guarda-corpo já existente na casa e  na valorização da iluminação natural.

 

Suíte dos Gêmeos – Anellise Bluhm, Carol Timbó e Mirna Albuquerque. A Suíte dos Gêmeos é voltada para pais e crianças, tendo como palavras-chave segurança e autonomia. Inspirado nos estudos de Montessori e Pickler, o ambiente atende crianças de até 7 anos e é dividido em três áreas: a de descanso, com um miniberço que vira cama; o banheiro, convencional, mas com recursos para crianças, como escadinha para a pia e móveis de livre acesso; e a de brincar, dedicada ao desenvolvimento, com estante baixa para guardar brinquedos, espelho com apoio e canto da leitura e o mezanino. O papel de parede lousa torna-se um painel sensorial com dezenas de atividades, cores e texturas.

 

Pavilhão criativo | Ceará feito a mão – Josafá Neto, Juliana Hissa e Zaíra Mendes. Arquitetura, artesanato e design cearenses estão juntos e enaltecidos nesse ambiente afetivo. Uma loja com formas retas e desenho limpo valorizam as peças assinadas por grandes nomes e selecionadas a partir de uma curadoria minuciosa. Remetendo a um pavilhão, a uma grande caixa de concreto, o projeto ganha cores com os objetos expostos, formando um cenário. A iluminação, pensada para valorizar as peças e os adornos em exposição, parte de luminárias funcionais e decorativas, também à venda.

 

Relicário – Lavabo com Hall por Ticiana Sanford. As memórias afetivas serviram de ponto de partida para o projeto, como o azul da fazenda do sertão e a exuberância da vegetação tropical das serras de Guaramiranga e Meruoca. Objetos pessoais e mobiliários, sendo alguns do século passado, formam um relicário de lembranças e mostram que é possível unir peças que já existem ao design contemporâneo, de forma harmônica e sustentável. No interior do lavabo, uma atmosfera azul proporcionada pela pedra cearense Azuli. Destaque para a instalação folhas secas feita em material biodegradável pela artista plástica Socorro Silveira, na escada principal.

 

Cidade da Gente – Estar Urbano. O Projeto Cidade da Gente, lançado em 2017 pela Prefeitura Municipal de Fortaleza, visa mostrar como é possível dar um novo uso ao espaço público disponível nas ruas, para além do trânsito de veículos, tornando-as mais seguras e convidativas. Neste ano, o Estar Urbano, das arquitetas Laura Rios e Liana Feingold, assina a intervenção, com formas geométricas inspiradas em Sérvulo Esmeraldo. Na entrada, o painel feito com técnica de impressão gráfica em cerâmica encanta os visitantes com desenho inédito do artista. São 655 m2 de muita arte no asfalto em cores predominantes de verde, vermelho e amarelo, remetendo à natureza tropical. O design dos paraciclos partem de elementos da obra de Sérvulo e acompanham bancos e jardineira, compostos por madeira plástica reciclada. No paisagismo, espécies nativas e tropicais fornecidas. Arte, sustentabilidade, segurança, gentileza e urbanidade são os propósitos desse projeto.

 

Memórias – Sergei de Castro. O ambiente remete às memórias dos 21 anos de CASACOR Ceará que o decorador participou. São reminiscências das vidas em comum, representadas por livros e objetos de todo esse período, e da amizade estabelecida entre os espaços concebidos.

 

Alpendre – Memória Interior por Elias Petruço e Felipe Costa. Como uma máquina do tempo, o Alpendre, inspirado nas memórias interiores, transporta seus visitantes a um ambiente repleto de amor, voltado para a família e que proporciona uma sensação de acalanto. Sob a luz do luar, o aconchego do ambiente faz relembrar bons momentos e resgatar as raízes, trazendo o melhor do passado.

 

Brasil Original – Joel Filho e Karine Maia. O espaço Brasil Original SEBRAE possui ao seu dispor 140 m². Neste ano, o tema “Minhas Origens” foi escolhido e, assim, as peças feitas a partir de técnicas de bordados e rendas ganham destaque, como a instalação que forma um grande labirinto no ambiente. Elementos da casa foram preservados, como tijolos e mármores. Um novo piso harmoniza com o já existente, fazendo uma espécie de patchwork. A iluminação já existente valoriza ainda mais o projeto.

 

Studio do Viajante – André Monte. O ambiente foi criado para ser habitado por alguém que faz questão de ter sua impressão em todo seu lar, transbordando personalidade, conforto e afeto. Tendo como ponto de partida o tema “planeta casa”, o Studio do Viajante demonstra que cada lar é um universo particular. O indivíduo que habitará o ambiente sentirá um entusiasmo para desbravar e trazer para dentro do seu lar um pouco de cada viagem, a partir do novo, do diferente e do moderno presente nas variadas culturas visitadas, seja em forma de objetos, seja na memória.

 

Galeria Cris Cavalcante – Claryanne Aguiar. Criado e pensado para uma galeria de uma artista em constante evolução, o espaço conta com uma área dedicada às obras de Cris Cavalcante, incluindo também o processo criativo. Para isso, o ambiente foi ampliado e transformado em um atelier lúdico, com espaço para a comercialização das criações. Materiais naturais como a pedra prevalecem na proposta do projeto. O grande charme fica por conta da cascata em pedra natural com trabalho em 3D. Uma fachada em formas retas e linhas contínuas convidam o visitante a viajar e a imergir nos traços da artista.

 

Hall do Colecionador – Tatiana Mendes. De um espaço de passagem para um ambiente de permanência. No Hall do Colecionador, obras de arte são utilizadas para prender a atenção e emocionar, despertando sentimentos e memórias e proporcionando experiências e sensações. Assim, o espaço é dedicado às recordações: de viagens, amigos e famílias. O ambiente traz a mistura de cores, texturas e acabamento natural. Dentre os objetos e memórias, as obras de Claudio Cesar estão entre as favoritas do colecionador.

 

Espaço J. Macêdo 80 anos – Bravo! Arquitetura Inteligente. A visitação inicia com os silos, representando a indústria do trigo. Projeções proporcionam uma imersão nas ativações atuais da empresa. Piso, teto e paredes em tom azul enfatizam essa imersão. O dourado é usado com uma base industrial, através da textura de concreto. Saindo dos silos, dá-se início a linha do tempo. A escultura do artista Assis Filho representa José Dias Macêdo a partir de uma fotografia inédita. A linha do tempo expõe a história da empresa e destaca seus ciclos mais importantes. No final, a afetividade do momento familiar é transmitido a partir da holografia. Durante todo trajeto, um aroma de pão toma conta do espaço, despertando no visitante lembranças e emoções. Lia Feitosa, Conceição Garcez, Garcez Filho e Melina Pinheiro assinam o ambiente.

 

CASACOR CEARÁ 2019

De 12 de setembro a 22 de outubro Terça a sábado, das 17h às 22h. Domingo e feriados, das 16h às 21h

Rua Visconde de Mauá, 950 – Aldeota – Fortaleza – CE