A versão de Balneário Camboriú da Casa Cor Santa Catarina abriu ao público neste último domingo (7), na Casa do Lago, no bairro Ariribá. Nos 24 ambientes da mostra,  a cultura, a natureza e os afetos encontram um lugar vivo para serem experimentados e gerar   transformações. Os espaços, que podem ser visitados até 8 de agosto de 2019, refletem a busca por um refúgio na leitura dos 41 profissionais participantes de diferentes municípios: Itajaí, Itapema, Criciúma, Balneário Camboriú, Chapecó, Joinville, Curitiba(PR), Porto Alegre (RS), Barra Velha, Brusque e Dionisio Cerqueira. 

Cada projeto, a seu modo, reafirma a conexão entre as pessoas e a natureza. Uma relação intermediada pela arquitetura sensorial, em espaços onde se descobrem aromas, atmosferas e as texturas verdadeiras de pedras, palha, tecidos crus e madeira.

Seguindo o tema Planeta Casa, conceito do evento para 2019, a mostra será guiada por três pilares: sustentabilidade, tecnologia e afeto.  O conceito foi criado na tendência do lar como universo particular de cada individuo, onde as mudanças e conexões surgem e transformam o entorno e a comunidade.

Um destaque são as peles de vidro do chão ao teto, que apagam os limites entre paisagem e ambientação. Ao mesmo tempo, materiais elegantes – especialmente os metais e ferragens gold – lembram que o desejo de sofisticação permanece no imaginário.

As paletas de cores quentes, puxadas pelo ocre e mostarda, encontram o rosé e tons profundos de verde, lilás, azul, cinza e preto, em composições que conciliam os opostos. Linhas formais também convivem com referências fluidas, desenhada pelos fluxos de memórias, da arte e da cultura dos povos indígenas.

(Foto de capa): Bilheteria O Planeta é Aqui – Priscila Mileke. O contêiner de 14 m² teve sua estrutura metálica aparente preservada e recebeu pintura fosca. Na área dos balcões, a aposta da designer curitibana foi um revestimento em marcenaria, com uma circulação que alia acessibilidade e praticidade. A iluminação cênica ressalta a estante com os anuários e especialmente a atmosfera que as obras de arte trazem ao projeto. (Lio Simas/CASACOR)

 

Refúgio dos Sentidos – Gouveia e Bertoldi Design de Interiores. No centro do lago, este refúgio é uma ilha sensorial emoldurada pelo verde natural. A antiga estrutura foi atualizada com elementos integrados, automação, tratamento de água e esgoto, telhado ecológico e peles de vidro. Plantas aromáticas, mobiliário sofisticado e texturas diversas marcam o espaço. (Lio Simas/CASACOR)

 

Restaurante Motírõ – Ileon de Mello, Jordana Battisti e Marcelo Urizar. Em tupi-guarani, Motírõ significa reunião de pessoas para colher ou construir algo. A ideia se traduz neste restaurante, em uma leitura moderna de oca com 208,80 m². O projeto rende homenagem às comunidades indígenas do país e recupera a conexão entre alimentação, afeto e sociabilidade. A brasilidade é inegável, citada nos tons crus e no artesanato das cestarias, com pinceladas de azul cósmico e vermelho. (Lio Simas/CASACOR)

 

Sala de Banho – Natália Xavier. O mix de materiais converge para o bem estar, no ambiente de 12 m² que garante espaço para uma urban jungle junto à banheira. Pedras em várias tonalidades, vidro e o acabamento em madeira ripada conferem uma atmosfera natural, anulando a diferença entre a área interna e externa. (Lio Simas/CASACOR)

 

Sala de Copas – Tufi Mousse. A sala de jogos ocupa 48 m² na Casa do Lago e interpreta o modo de diversão contemporâneo. Integra funções de relaxamento, conversa, jogos e o pequeno bar: a casa é um planeta vivo, afinal. O espaço explora a diversidade de materiais em revestimentos e mobiliários, com texturas e cores que aquecem o visual. (Lio Simas/CASACOR

 

Suíte do Casal – Mariane Bassegio e Nando Machado. O contraste entre o conceito urbano e a natureza ao redor se estabelece no ambiente de 32 m², projetado para um casal jovem. A TV instalada na pele de vidro mantém o verde presente, enquanto a parede do lado oposto ganha a textura marcante da pedra, no mesmo tom do concreto. (Lio Simas/CASACOR)

 

                

Hall de Entrada Conceito e Lavabo Tritidimensional – Eduardo Castello Branco e Cibele Castello Branco. A arquitetura minimalista e conceitual sintetiza um conceito oriental: há duas forças opostas complementares no universo. Essa é a inspiração para o uso de elementos antagônicos, como preto e branco, retas e curvas, mas com o traçado puro em comum. Destaque para a chaise Urca, do premiado arquiteto e urbanista Jaime Lerner. (Lio Simas/CASACOR)

 

Banheiro Cabana Verde – Suellen Paul. A forte ligação com a natureza se reafirma nos materiais e nas plantas. As chapas de OBS compostas de madeira ganham novo status no painel, que delimita a área das cubas lapidadas em mármore. Além de materiais reciclados, o ambiente traz outros recursos sustentáveis, como reuso da água e abastecimento elétrico com auxílio de placas solares. (Lio Simas/CASACOR)

 

Refúgio da Artista – D’Fatto Arquitetos Associados. No loft em meio a natureza, cada elemento traz algo de surpreendente e conceitual. Um deles é a sala de banho que explora o mármore e as pedras. Seria uma instalação monocromática, não fossem as plantas e a iluminação quente posicionada atrás da banheira. (Lio Simas/CASACOR)

 

Jardim das Palmeiras – Maria Helena Cavichiolo e Sheila Sabrina Skonetzky. No espaço externo da Casa do Lago, a dupla organizou um conjunto de ambientes aconchegantes e descontraídos, para aproveitar no inverno ou no verão. Natureza e paisagismo se completam, junto com o SPA e um mobiliário funcional. (Lio Simas/CASACOR)

Lake Loft – Fábio Borges Casanova. No terreno à beira do lago, este refúgio urbano pensado para duas pessoas possui grandes aberturas, transformando o contêiner reutilizado. A proposta é uma conexão permanente entre a habitação e o planeta. Sua arquitetura minimalista é delineada com ferragens em alumínio preto e muito amadeirado, acompanhando a mobília com traço contemporâneo. (Lio Simas/CASACOR)

 

Home Fragrances – Fabiane Folchini. A arquiteta trabalha com bases neutras, materiais nobres e acabamentos exclusivos, com uma linguagem entre o clássico e o moderno. O mármore do piso inspira o uso do branco e preto em outras composições, deixando a cor para elementos pontuais, como as plantas. (Lio Simas/CASACOR)

Área Gourmet Paiaguás DECA – Thayane Santana. A arquiteta aproveitou a estrutura de madeira existente e buscou referências em uma tribo indígena extinta, para compor seu ambiente de 85 m². Os geometrismos e volumes despertam interesse, atuando em conjunto com a iluminação nesta cozinha de estar. Destaque para as cubas em inox, lançamentos da DECA. (Lio Simas/CASACOR)

 

 

Casa Basalto – Fernando Luiz Dal Bosco. Com 80 m² de área interna e 200 m² de área externa, este lar contemporâneo se refugia em uma caixa cimentícia construída rapidamente em steel frame. A rigidez das pedras, como o basalto, ganha um contraponto no uso da palha e das fibras naturais, em peças com um desenho delicado. (Lio Simas/CASACOR)

 

   

Sala Cor de Pele – Pedro Tessarollo e Jairo Lopes. A dupla mergulha em questões da sociedade contemporânea e apresenta uma leitura particular sobre a tonalidade da pele. O living, feito para receber com conforto a todos, é o espaço para essa reflexão. Destaque para a curadoria de artistas visuais radicados em diversas regiões do Brasil, conhecidos por suas narrativas de valorização das diferenças. (Lio Simas/CASACOR)

 

Loft Haven Home – Mike Hoffmann e Lia Herrmann. Idealizado para um jovem médico, o studio ressalta o prazer de estar em casa, conectando tecnologia e natureza em uma arquitetura leve e permeável. O layout e os móveis são funcionais, trazendo linhas formais e uma cartela de cores introspectiva. (Lio Simas/CASACOR)

 

Varanda do Lago – Larissa Palma Dias. Com jardim vertical, lareira e balanço, o ambiente de 12 m² é totalmente aproveitado para valorizar a relação com a natureza. O azul profundo faz um contraste com os tons quentes dos crótons. No mobiliário, peças do designer Aristeu Pires, junto com obras de arte e objetos de decoração exclusivos. (Lio Simas/CASACOR)

 

Quarto Sincronia – Gouveia e Bertoldi Design de Interiores. A sincronia se refere à relação entre energia das cores, texturas dos materiais e o equilíbrio entre natureza e tecnologia. Os tecidos e a madeira se combinam para transmitir aconchego, neste espaço de descanso e trabalho com 14 m², imaginado para uma jovem recém-formada que adora natureza, moda, arte e viagens. (Lio Simas/CASACOR)

 

Banheiro Órbita – Ana Paula Borba. O antigo banheiro na Casa do Lago é cenário para uma leitura atualizada da história de Peter Pan. Preservando a atmosfera mágica, a marcenaria do teto evoca um barco pirata navegando no céu, enquanto o jardim vertical remete à floresta, palco das aventuras de Peter. O revestimento das paredes dá a sensação de sair de órbita. Repare ainda nos espelhos, inspirados nas asas da Sininho. (Lio Simas/CASACOR)

 

Home Office Recanto Particular K-9 – Hevelin Buss e Josy Melo. Trabalhar em casa, mas sem a seriedade dos escritórios convencionais. A paixão pelo mundo do futebol e pela natureza foram um pretexto perfeito para inserir o verde no ambiente de 18,20 m², que vem junto com o dourado e materiais como o couro. O projeto homenageia o atacante Keirrison, conhecido como K9, que já atuou em times como Santos, Palmeiras e Barcelona. (Lio Simas/CASACOR)

 

Cucina La Madonnina – Mariana Maran e Daiane Melo de Campos. Esta cozinha aconchegante homenageia a estátua que se tornou símbolo da cidade de Milão.  A atmosfera sofisticada da região da Lombardia é reverenciada no design italiano das luminárias e no onipresente mármore, utilizado  no piso. Destaque para as ferragens austríacas, que ganham nobreza com o acabamento gold. (Lio Simas/CASACOR).

 

A Cabana REVEEV – Linda Martins e Cris Araújo. Luz e ventilação naturais têm passagem livre nesta casa. Além de valorizar os recursos naturais, este refúgio para um casal teve um olhar sustentável na escolha dos materiais. Palha, madeira em vários tons, pedras e cimento estão entre eles. A arte pernambucana está no décor. Destaque para os charmosos brises pivotantes na lateral. (Lio Simas/CASACOR).

 

Sala Raízes – Geovani Capelina. Para expressar a valorização de origens familiares e culturais, o ambiente vai ao encontro de memórias afetivas, recuperando texturas, cores e formas acolhedoras. Os troncos em sua forma natural criam o impacto visual, junto com as obras de arte, convivendo com a iluminação delicada e materiais frágeis como espelhos. (Lio Simas/CASACOR)

 

Books‘N Art – Gabriela Herde. Nesta biblioteca, convivem bons livros, obras de artistas locais e a proposta de uma arquitetura sensorial. Com um tom atraente e cheio de energia, a marcenaria organiza e expõe todos os elementos. A ideia é refletir sobre a importância de manter viva a cultura. (Lio Simas/CASACOR).

    

CASACOR Balneário Camboriú 2019/ De 7 de julho a de 18 de agosto/ Terça a Sexta, das 15h às 21h/ Sábados e feriados, das 13h às 21h/  Domingo, das 13h às 19h/  

Rua Rouxinol, 153, bairro Ariribá – Balneário Camboriú/SC

INGRESSOS:

Inteira: R$50/ Meia entrada: R$25 (necessário comprovante)

Venda online no link: https://casacorbalneario.byinti.com

Classificação: Livre