O casal Carla Vasconcelos e Raif Jibran, apaixonado por artes, resolveu festejar o aniversário de 451 anos do Rio de Janeiro, reunindo, em sua casa no Itanhangá, vários amigos artistas plásticos radicados na cidade para uma exposição de suas obras. Os trabalhos, expostos na residência do casal desde a semana passada, podem ser vistos até o próximo domingo, dia 6 de março, na casa da Rua Poeta  Khalil Gibran, 421, Itanhangá.

Entre os destaques da exposição, o artista plástico carioca Marco Velasquez, apresenta suas telas com pigmentos termocrômicos que mudam de cor a partir de oscilações de temperatura ambiente. É a temperatura do ambiente que determina a expressividade da obra plástica. E o laboratório é a própria natureza, suas circunstâncias e o ambiente onde o quadro está exposto.

Parte dessa produção e também uma série em óleo sobre telas e sobre placas acrílicas inspirada nas motocicletas Harley-Davidson, está exposta na mostra.

A ideia de utilizar pigmentos surgiu de uma lembrança da infância, quando Marco se encantou pelo Galo de Barcelos (imagem emblemático de Portugal) que havia na casa de sua madrinha e que mudava de cor conforme a umidade do ar – fenômeno desencadeado pelo fato de o objeto ser embebido em cloreto de cobalto. Velasquez procurou pela substância, mas por ser considerada tóxica pela União Européia, encontrou na China um fabricante do pigmento e passou a encomendá-lo, com ponto de mudança de cor entre 20 e 30 graus centígrados, variação pertinente ao clima do Brasil.

Borboletário 100 x 150cm acrílica sobre tela

Cristo Transparente

Foto com interferência termocrômico acrílica

Inspirada nas pedras Opala e Malequitas. 60 x 70 cm acrílica sobre tela

Sem título

Tríptico

A Psicologia e a dança deram lugar à pintura na vida da artista plástica Rafaela Saraiva, outro destaque da mostra, a partir do momento que ela passou a frequentar a Escola de Artes Visuais do Parque Lage e, mais tarde, o atelier do artista Luis Alphonsus. Em suas telas, a tinta acrílica, como a dança, interpreta pequenos mundos que migram e se penetram, como uma observação e vivência do movimento.

Os móveis de madeira reciclada do designer Jimmy Godoy, mineiro radicado no Rio, objetos e esculturas recicladas extraídas de incêndios, entre outras peças, também estão na mostra da casa do Itanhangá.

Serviço:

Carla Vasconcelos. (21) 98244.2273

Exposição até dia 6 de março, domingo.

Rua Poeta  Khalil Gibran,  421,  Itanhangá. – Rio de Janeiro