Nossa ideia aqui no Radar é sempre divulgar iniciativas “verdes” de arquitetos, lojas e fábricas ligadas ao universo do design e decoração. E vale tudo: desde a história de um produto bacana, que tenha preocupação em usar matérias-primas ecológicas, até uma linha completa de produção, montada com foco em reduzir o consumo de energia.

Seguindo essa filosofia, entrevistamos o designer Fernando Jaeger, dono de duas lojas no Rio (o atelier, no Jardim Botânico, e a pronta-entrega, em Laranjeiras) e outras quatro em São Paulo. Ele, que desenha praticamente todas as peças, é um dos precursores do uso de madeira nativa de manejo sustentável em seus móveis. Realista, conta que sua vontade é utilizar apenas matéria-prima certificada, mas “infelizmente, a oferta ainda não é suficiente”, avisa. Para ele, produzir em sintonia com o meio ambiente é uma preocupação constante e imprescindível – e que está presente no dia a dia de suas lojas e da fábrica.

 

Sobre o uso de madeira certificada:

“Na verdade eu não uso somente madeira certificada. Isso porque infelizmente a oferta não é suficiente para que possa substituir toda a matéria prima utilizada na minha linha de produção. Mas compro regularmente madeira nativa, de manejo sustentável, e encaminho para a maioria dos meus fornecedores. O que faço também é usar toras de reflorestamento – eucalipto e pinus, – desde minha primeira linha de móveis, nos idos de 1982. E também especifico MDF e compensado provenientes de reflorestamento”.

 

O que é ser uma empresa ecologicamente correta, segundo ele:

“Acho que ser correto ecologicamente não é apenas usar madeira certificada. É pensar em produtos duráveis, nunca descartáveis. Projeto móveis feitos para durar o maior tempo possível. Acho errado explorarmos as matérias primas, gastar água, energia, combustível no transporte, embalagem e, em um curto espaço de tempo, gerarmos lixo ambiental com o móvel descartado.

* Nossos tecidos recebem aplicação de Teflon, tornando-os mais resistentes e aumentando a vida útil de um sofá, de uma poltrona ou cadeira.

* Com relação aos fornecedores, pago preços dignos. Não me interessa a exploração no estilo “capitalismo selvagem”.

* Valorizo também o ofício do profissional, procurando destacar seu trabalho e conhecimento, ao invés de só usar máquinas automatizadas.

* Procuramos utilizar as matérias primas de forma racional, sem desperdícios.

* Muitas vezes projeto móveis que usam o descarte da produção. Assim, o que viraria lixo ou seria queimado volta à produção e gera produtos mais baratos. Sobras de tecido se transformam em almofadas, sacolas. Restos de madeira, novos móveis.

* Em nossas lojas não utilizamos copos e outros produtos descartáveis.

* Separamos o lixo reciclável e recolhemos a água da chuva para reuso em descargas e rega do jardim.

* Valorizamos o paisagismo, a iluminação e a ventilação natural em nossos showrooms. No Rio, estamos localizados em duas casas antigas, que renovamos com cuidado para não descaracterizá-las. Isso também significa reaproveitamento.

* Na minha casa, utilizo aquecimento solar há 16 anos.

Fernando Jaeger – www.fernandojaeger.com.br