O caderno Rio destacou em reportagem: “Dois dias depois de ter anunciado o projeto de transformar o Campus Fidei, em Guaratiba, num conjunto habitacional, o prefeito Eduardo Paes dará hoje o primeiro passo para concretizar a iniciativa, idealizada em conjunto com a Igreja. Será publicado no Diário Oficial o decreto de desapropriação do terreno. Amanhã, haverá uma reunião entre  representantes do Ministério Publico, do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) para definir os próximos passos. A região de Guaratiba sequer tem um Plano de Estruturação Urbana (PEU), que chegou a ser prometido pela prefeitura para o segundo semestre do ano passado. A ideia do conjunto está gerando polêmica entre especialistas, mas Paes — que voltou a afirmar que não sabe a quem pertence o terreno — disse que não resultará em adensamento do bairro. — Não é para levar mais gente para a Zona Oeste. Nossa ideia é fazer um bairro  popular para resolver questões absurdas de moradia, como gente que mora à margem do Rio Piraquê e numa  parte da região conhecida como Jardim Maravilha. Vamos fazer a quantidade de casas  exata para resolver a situação de quem vive hoje de forma precária. Faremos um levantamento para chegar a esse número — afirmou Paes. O prefeito voltou a defender a organização da JMJ,  afirmando que a Igreja tinha todas as licenças ambientais, tanto do estado quanto do município, para a realização dos trabalhos de terraplenagem no Campus Fidei. Esta semana, peritos do MP  devem voltar à região para avaliar se houve ou não danos ambientais. A ideia da prefeitura de construir um loteamento em Guaratiba é vista com cautela por entidades do setor de urbanismo e engenharia. O presidente da Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio (CAU-RJ), Sydnei Menezes, disse que a proposta  precisa ser mais bem discutida”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Rio/ Reportagem: Fabio Vasconcellos e Ruben Berta/ 30/07/13