O site da Bamboo informou em matéria: “Batizada de casa Pênsil, a morada é um exoesqueleto de peças de bambu unidas por conectores metálicos. A estrutura, apoiada na árvore por cintas e esticadores, é inspirada no povo korowai, que vive em casas de árvores em Papua-Nova Guiné. “As grandes árvores me parecem o suporte ideal para uma residência nômade e sustentável. Suas copas fornecem proteção solar, sua altura, ventilação, e seus galhos podem ser usados como suporte para talhas e roldanas auxiliares para a suspensão de peças pré-fabricadas”, explica o arquiteto Miguel Pinto Guimarães, com escritórios no Rio de Janeiro e em São Paulo. Com 61,4 m2 e capacidade para quatro pessoas, o módulo é dividido em três níveis, que acomodam banheiro, quartos, salas de jantar e de estar, escritório, cozinha e despensa. Conectada à casa por meio de um “cordão umbilical” está a Cápsula de Sobrevivência, cilindro que reúne equipamentos para geração e armazenamento de energia, coleta e reciclagem de água e mitigação de resíduos orgânicos. Esse sistema garante a autossuficiência da unidade habitacional”. Leia mais no site.

Fonte: Bamboo/Reportagem: Flora Monteiro/Fotos: Divulgação/18/11/15

http://www.bamboonet.com.br/posts/miguel-pinto-guimaraes-criou-um-abrigo-autossuficiente-para-ser-pendurado-em-arvores