Sinônimo de bom gosto, o arquiteto Luiz Fernando Grabowsky sempre marcou presença nas principais mostras de decoração do país com seus projetos bonitos e sofisticados. Vice-presidente do Instituto Art Déco do Brasil e dono da loja Studio Grabowsky, no Rio Design Leblon, que mantém há 11 anos com o sócio Pedro Henrique Guimarães, ele conta que sempre trabalha pensando na sustentabilidade, utilizando materiais ecologicamente corretos e valorizando os produtos recicláveis. Um sonho que ainda deseja realizar? Manter um escritório no Rio e outro em Paris e passar a vida na ponte aérea Brasil-França.

RD: Por que você escolheu essa profissão? Em que momento decidiu que seguiria esta carrreira?
L.F.G: Ainda adolescente minhas preferências eram as artes plásticas, desenho industrial e design, mas a influência de meu pai e irmãos, todos engenheiros, me direcionou para a arquitetura que eu abracei desde o início e os projetos de interiores me conquistaram definitivamente.

RD: Como foi o caminho que você percorreu para desenvolver seu próprio estilo?
L.F.G: Fui observando bem o que eu gostava de um escritório ou outro pelos quais eu passei e fui aprimorando o meu gosto e o meu trabalho. Com o passar dos anos fui eliminado alguns excessos e modismos até alcançar o meu estilo próprio.

RD: Qual a importância de materiais sustentáveis no seu trabalho ?
L.F.G: Hoje temos que ter a responsabilidade de projetar pensando na sustentabilidade, desta maneira sempre procuro usar materiais ecologicamente corretos, recicláveis e madeiras certificadas, assim como soluções sustentáveis privilegiando a iluminação e ventilação naturais, telhados e muros verdes.

RD: Como é o seu estilo?
L.F.G: Difícil definir um estilo, mas acredito fazer uma decoração contemporânea criando ambientes modernos e sofisticados com mistura de estilos e uso de cores.

RD: Entre tantas fontes que temos atualmente, de onde vem a sua inspiração?
L.F.G: Principalmente busco inspiração nos lugares que visito sejam eles hotéis, restaurantes, lojas, exposições ou feiras. Procuro estar antenado com tudo que é novidade e tento armazenar o que vejo de mais importante para à minha maneira utilizar em algum projeto futuro. Na hora de projetar as ideias fluem naturalmente.

RD: O que não pode faltar em seus projetos?
L.F.G: De uma maneira geral não pode faltar cor, acho que ela é sempre importante nos meus projetos, mas principalmente um layout inteligente com uma boa marcenaria, um bom projeto de iluminação e obras de artes são fundamentais.

RD: Como você se informa sobre o mercado de decoração?
L.F.G: Vejo muito rapidamente as melhores revistas especializadas, gosto muito de livros e principalmente gosto de visitar lojas de decoração e lugares da moda por terem uma decoração diferenciada. Não vejo muito TV e na internet não visito sites de decoração. Minhas revistas preferidas são Wallpaper, Casa Vogue, Wish Casa, Kaza e Casa Claudia.

RD: Quais você acredita serem as peculiaridades do mercado carioca? Qual o papel ou importância do Rio dentro do mercado brasileiro de arquitetura e decoração?
L.F.G: A decoração carioca é mais descontraída e ao mesmo tempo a mais eclética. O Rio de Janeiro influencia o Brasil todo, ele sempre dita a moda, portanto vejo ele como um mercado muito importante. Mas faltam algumas lojas mais sofisticadas que só existem em São Paulo.

RD: Qual o estilo da sua casa? O que você gosta de ter nela?
L.F.G: O estilo dela é atemporal e poderia estar no Rio de Janeiro, São Paulo, Paris ou Nova York. Ela reflete a minha personalidade e gosto dos meus livros, minhas obras de artes e minhas peças Art Déco.

RD: Você pode nos falar de dois projetos que você curtiu muito fazer, descrevendo-os um pouquinho.
L.F.G: Gostei muito de fazer um apartamento para um jovem solteiro que queria uma decoração ‘cool’ com peças especiais e bem personalizadas. Gostei também de um mega apartamento na Barra da Tijuca onde pude criar muitos ambientes diferenciados.

RD: Tem algum projeto legal que você está fazendo agora e poderia nos contar.
L.F.G: Sim, nos últimos meses fiz três escritórios no Leblon e agora estou preparando o quarto, que tem 170 metros quadrados e estou muito feliz pois acredito que será um projeto bem exclusivo e o cliente me deu carta branca para projetar.

RD: Quais os seus sonhos em relação à profissão?
L.F.G: Que cada vez mais a profissão seja valorizada e a demanda de trabalho maior para que eu possa me dar ao luxo de escolher os projetos que quero fazer podendo realizá-los com mais tempo e prazer e continuar vivendo da minha profissão por muito tempo.

RD: Algo que você sempre sonhou em fazer ainda não fez…
L.F.G: Montar um escritório na França e poder dividir meu tempo entre a Europa e o Brasil.