O lançamento da Mostra Artefacto 2019,  no Rio de Janeiro, aconteceu neste sábado, 30 de março, no showroom do Casa Shopping, reunindo 29 profissionais que criaram 19 ambientes para ver, ouvir, sentir, tatear, degustar e se inspirar.

“Esse exercício de olhar para dentro de si e de se compreender primeiro, para somente depois entender o resto do mundo (quase um sexto sentido) aponta para o fato de que nunca vivemos tão interconectados, nem a comunicação se deu em tempo tão real”, explica Paulo Bacchi, CEO da marca. “As personas e suas interações consigo próprias, com os outros e com o planeta assumem o protagonismo nos ambientes inspiradores assinados por grandes profissionais”, ele completa.

Conheça os arquitetos e ambientes abaixo. (foto de capa: Espaço Paola Ribeiro)

Paola Ribeiro: “É um ambiente que acolhe e poderia estar numa casa de praia ou de campo”, explica Paola, no seu living aconchegante de 84 m2 na Mostra Artefacto.

Num espaço de estar completo, que inclui jantar, bar e um pequeno Office space, Paola procurou  trabalhar o tato como sentido ativado  em todas as direções , das paredes de pedra ao teto,  através da diversidade de texturas que promovem sensações distintas, como as paredes de pedra rústicas e painéis de madeira. Cores claras e elementos naturais fazem do espaço um lugar para relaxamento. Destaque para a cadeira Xingu e o banco Lucero.

 

Ana Lúcia Jucá: “A vida é sensorial. O projeto estimula a percepção de sensações diversas através dos nossos sentidos”, conta Ana Lúcia Jucá, que apresenta um grande living  de 90 m2 com sala de jantar e home theater. Com um ar sofisticado e despojado, porém neutro para que os sentidos sobressaiam, o ambiente é inspirado em experiências de viagens e estilos musicais.  Tudo foi pensado para estimular os sentidos e sensações através da visão – com o super painel de led que transmite imagens que dialogam com a música tocada no momento – audição, tato e até o olfato, com o perfume escolhido para a Mostra. Destaque para o sofá Maddox, o biombo Sinclair e a mesa Halston.

 

Rogério Antunes e Bernardo Schor:  “Optamos pela visão que abrange a percepção das diversas informações contemporâneas com detalhes clássicos, ressaltados pela utilização de papel tridimensional aplicado em todo teto, o que gera ilusão de ótica num tributo aos retalhos de madeira no fiel estilo renascentista”.

A dupla trabalha com a visão, que abrange a percepção das diversas informações contemporâneas com inspiração clássica. A vitrine de entrada da loja representa a humanização do espaço no conceito de lounge e tem iluminação através de frisos de leds em neon fixados no teto, permitindo a contemplação do pé direito duplo. Os tons de preto, areia claro e chumbo predominam no ambiente, que tem como destaque um grande sofá em L. Destaque para a mesa de centro Candy, a poltrona Phili e o puff Renzo, que valorizam a percepção harmônica de todo conjunto.

 

Duda Porto: “Pensamos no nosso espaço como sendo sinestésico, porém escolhemos o tato com sentido principal. Ele é o sensor responsável pelas texturas, temperaturas, e está presente principalmente na pele. Assim com ele, esperamos que o nosso trabalho traga algum tipo de sensação”, compara Duda. São dois cômodos compostos por lounges fragmentados que quando conectados alcançam o tamanho de 40 metros quadrados.

Responsável pelas área externa da Mostra Artefacto, Duda Porto criou dois ambientes a partir da relação do tato com a arquitetura. O espaço, salas de estar com sofás, mesas de centro, poltronas e chaises, traz um muro verde, dando a sensação de que a natureza está inserida no ambiente. Para Duda, a arquitetura transporta as pessoas para uma série de lugares e emoções ainda poucos explorados e esse foi o ponto de partida para a criação. As diferentes texturas e materiais usados, além do vento e do cheiro das plantas criam um equilíbrio de sensações para quem está presente. Destaque para a  chaise Corumbau – lançamento da Artefacto.

 

Jacira Pinheiro: Trabalhando a visão como forma de transparecer o aconchego à primeira vista, a arquiteta apresenta uma sala de campo, inspirada nas memórias visuais exploradas na infância.  O lugar ideal para receber amigos, curtir a família ou ler um livro.  Um ambiente mais rústico, inspirado na natureza, traz a madeira no piso e na parede, é composto por lareira, linho nos tecidos e cores neutras, que dão um ar de tranquilidade e trazem suavidade ao ambiente. A iluminação suave, focada para os pontos de leitura,  também é o ponto alto do  projeto. Destaque para a  poltrona Banyan, os sofás Gardu e o puff Anncy.

 

Leila Dionizios: “A visão foi o fator sensorial escolhido. Acreditamos que é um dos sentidos que dá acesso a alma das pessoas”  – é a partir dessa frase que Leila Dionizios explica a escolha da visão para o seu loft  de 77 m2 na Mostra Artefacto. Inspirado na cosmopolita Nova York e seu arborizado Central Park, o espaço traz o cinza combinado com tons de verde reforçando a sobriedade de um ambiente contemporâneo. Detalhes retrô trazem à memória lembranças antigas e fazem o contraponto com as peças elegantes e atuais da Artefacto. Destaque para a cama Nouveau e o criado Constantin, que imprimem uma atmosfera de conforto.

 

Alexandre Cardim : “Todas as cores, objetos e revestimentos carregam consigo uma gama de possibilidades a respeito de sensações”, explica Alexandre Cardim sobre o espaço de 70 metros quadrados inspirado em um quarto de hotel da Polinésia Francesa, no qual a arquitetura foi planejada de maneira que os múltiplos sentidos fossem acionados.

O projeto de quarto e living aguça os sentidos do visitante, explorando  a visão, audição, tato e olfato. De olhos abertos ou fechados, os materiais se fazem presente, em uma releitura dos bangalôs overwater. Uma paleta de tons claros compõe o ambiente, trazendo à tona o sentido da visão, que ainda é somada aos revestimentos e organização dos elementos no espaço. O barulho das ondas do mar, a essência exclusiva, e o toque do carpete, completam as sensações do ambiente. Destaque para o sofá Kondey, móvel que aparece muito bem acompanhado de duas poltronas Palawan, entre outros móveis da Artefacto.

 

Babi Teixeira:  O sentido escolhido foi a visão, por se tratar de uma vitrine e da idéia de estar em um mesmo espaço físico feito em meados de 2018, mas com layout, móveis e tecidos diferentes, mostrando o quanto é perceptível ter um novo olhar de um mesmo ambiente, ao trocar alguns elementos”,  explica Babi Teixeira.

Os objetos da linha Home da Artefacto ganham ainda mais charme no espaço de 95 metros quadrados. Com a visão como ponto de partida, o ambiente é uma releitura do projeto anterior assinado pela arquiteta. O living integrado com a mesa de jantar e dois lavabos trazem cores neutras e sóbrias, realçando os acessórios expostos. Destaque para as mesas de centro Lamai e Boracay, bem como as poltronas Corumbau, Kendari, Kisar.

 

Claudia e João Victor Brassaroto:  Mãe e filho apresentam a integração dos cincos sentidos apostando que um complementa o outro. A inspiração veio da natureza, onde todos os fatores sensoriais se manifestam. Dividido em três ambientes, o projeto traz um luxuoso loft que inclui espaço para degustação de bebidas e sala de jantar que faz as vezes de galeria de arte. Espelhos estão presentes no decor representando a visão, o tato nas diferentes texturas dos materiais, o paladar surge na mesa bar, a audição na música ambiente e o olfato no aroma das plantas e a essência da Artefacto.   Destaque para a coluna de jantar Poiret, a estante Tornai e o sofá Milano.

 

Natália Paes de Andrade e  Simone Meira:  “A Nossa preocupação foi criar um lugar de total conforto – físico e sensorial – com o objetivo de trazer sempre a harmonia entre os objetos e mobiliários. A iluminação reforça o sentido visual dentro do espaço”, explicam Natália e Simone.

Em um loft de 65 metros quadrados,  inspirado nas regiões de montanhas, que trazem tranquilidade, aconchego e um ótimo ambiente para meditação, a dupla aposta em iluminação e cores que transmitem o bem estar físico e emocional. Explorando a visão e o tato na mistura de revestimento na parede, como pedras, tijolos, madeira e espelho, e o encontro de piso com o tapete trazem à tona os sentidos escolhidos.  Destaque para o biombo Sinclair, o sofá Oscar e a acolhedora poltrona Jeff.

 

David Defízio:  “Traduzimos os cinco sentidos por meio do conceito de casa de praia e as sensações que remetem a esse tipo de lugar” explica David Defizio sobre o espaço de 110 m2 distribuidos entre cinco ambientes – living (duplo), jantar e suíte com pequena ala fitness integrada.

O badalado litoral dos Hamptons, em Nova Iorque, foi a inspiração para o arquiteto criar o cenário de uma casa de praia. A mistura dos sentidos que temos aos estar perto do mar, o cheiro, o toque da areia e o barulho das ondas permeiam o projeto. Para compor o ambiente, móveis da linha Beach & Country, base de madeira natural e cores em tons de cinza. Destaque para as mesas de centro Aprilic e a cadeira Allin, que são alguns expoentes da cena finalizada com obra de arte exclusiva de Tomie Ohtake.

 

Sérgio Paulo Rabello:  Tendo como ponto de partida o apartamento urbano rústico contemporâneo, onde vive, hipoteticamente, um ceramista, o arquiteto escolhe o tato como o sentido a ser explorado.  O espaço rústico e ao mesmo tempo contemporâneo, tem a arte como seu ponto forte e faz as vezes de ateliê também. Cinza, verde e laranja predominam nas cores. As paredes com texturas no mesmo sentido e aparência similar aos vasos da coleção do artista dão o tom do ambiente, que traz ainda madeira de cerejeira e porcelanato.  Destaque para a  cabeceira Piet, a cadeira Chiara e a estante Float, que dialogam com os destaques na proposição do  espaço.

 

Regina e Mariana Távora: Mãe e filha entendem a visão como o sentido de maior ligação com a arquitetura, e acreditam que o projeto deve evidenciar as experiências de equilíbrio entre todos eles. O loft, de 80 metros quadrados,  composto por quarto, sala e copa integrados, é um espaço de abrigo natural, capaz de oferecer toda a qualidade de sua multifuncionalidade, com desenho de interiores de alto padrão e que não se distancia da natureza, representada pela árvore no centro do ambiente. A parede do lounge, com diferentes aspectos, é trabalhada com madeira, tijolo e textura, estimulando os sentidos. A ideia é harmonizar a extrema sofisticação do design de cada produto com toda a complexidade, diversidade e exuberância da natureza. Destaque para a bancada gourmet, que se apresenta como um charmoso louceiro para  armazenar as traquitanas da copa.

 

Aline Celles e Bethânia Rocha:  “A  arquitetura é uma arte com seus desafios e somente quem está  disposto a enfrentá-los e aceitá-los como crescimento e experiência consegue permanecer na pureza do amor pelo que faz”, refletem Aline e Bethânia no ambiente constituído por gym, spa, quarto e sala de estar e jantar distribuídos em 168 metros quadrados e marcados pelos tons terrosos ,beje e dourado.  Diversas sensações são perceptíveis, das texturas do tapete ao aconchego do piso da madeira,  mas a partir do sentido visão, o Loft criado  aposta no impacto visual para surpreender. Destaque para as cadeiras Zadi e a chaise Phili que arrematam o cenário.

 

Flavia e Bruna Sideris: “Embora seja uma decoração luxuosa e elegante, os elementos são clean e muito bem combinados”, explica Bruna.

O ambiente criado pela dupla é uma sala ampla, que se divide entre estar e jantar e aposta na visão para transmitir bem estar. Para Bruna e Flavia é o sentido mais aguçado quando o assunto é decoração de ambientes e pode ser explorado em diversas cores e formatos. As arquitetas também usam e abusam das texturas, como tapetes, cortinas, sofá e almofadas, onde cada mobiliário é revestido com um toque distinto, priorizando tecidos nobres como veludo, boucle e linho.  Destaque para o sofá Argand e as poltronas Wiggins.

 

Claudia Pimenta e Patricia Franco: Em sua 8ª. Participação ma Mostra Artefacto,  a dupla criou  um ambiente inspirado em urbes cosmopolitas como Nova York e Tóquio, trabalhando as  sensações urbanas, em uma mistura de cores, luzes, e materiais que remetem ao skyline da cidade. O hall de boas-vindas, integrado com o living, sala de jantar, e a área íntima com suíte são inspirados em grandes centros urbanos.  A base das cores é feita em verde, cinza, branco e tons de metais. O espaço instiga o toque com elementos que convidam a sentir o ambiente com as mãos. Destaque para as correntes das luminárias e as texturas dos tapetes e papéis de parede, para o módulos Kubrick e a mesa  de jantar Haslston.

 

Emerson Araújo e Lenora Lohrisch: “Buscamos trazer o sentir pelo acolhimento da madeira e pelos tecidos de fibras naturais, pela amplitude da espacialidade deixando um fluir entre os ambientes e a conexão entre o interior pelas grandes janelas que se abrem para a cidade”,explicam Emerson e Leonora.  Composto  por salas de estar e jantar, quarto e escritório, o projeto com  área com total de 103 metros quadrados foi inspirado no poema “A poética do espaço”, do arquiteto e poeta francês Gaston Bachelard – que traz em sua obra uma reflexão de como os espaços se apresentam através do homem – a dupla apresenta no projeto a combinação entre a visão e o tato, usando a sinestesia. Visando o aconchego de uma residência e equilibrando a sofisticação com a realidade do dia-a-dia, Emerson e Lenora usaram madeira, espelhos, tecidos de fibras naturais, iluminação pontual e tons quentes.  Destaque para a cama Zafra, a mesa componível Nidus e o banco Monzon.

 

Fábio Bouillet e Rodrigo Jorge: Propomos misturar elementos diversos que, juntos, trazem ao olhar, conforto, satisfação e sensação de acolhimento” explicam Fábio e Rodrigo. A visão foi o sentido escolhido e está representado na diversidade de materiais, como cerâmica, madeira, metal e mármore, e texturas do projeto de 130 m2, com ar contemporâneo.

A dupla de arquitetos, reconhecida pelos projetos cosmopolitas, apresenta um loft para um morador descolado com uma vida agitada de um grande centro urbano. Mas ao mesmo tempo um ambiente onde ele pode desfrutar de conforto, sofisticação e descontração. Nesse loft completo é possível levar a vida do dia-a-dia e também receber amigos para happenings em um ambiente cheio de personalidade.  Destaque para a estante Tournai, a mesa de centro Pandia e o puff  Prada.

 

 Studio Ro + Ca:  Carlos Carvalho, Rodrigo Béze e Caio Carvalho usam a visão na intenção de mostrar que este é o sentido que nos dá a referência de um espaço acolhedor. O quarto de hotel planejado pelos arquitetos foi criado para deixar o hóspede mais a  vontade possível. A presença marcante da madeira e das cores azul, verde, marrom e cinza integram a paleta do ambiente, e juntas com a iluminação baixa, dão a sensação visual de aconchego.  Destaque para a chaise Harrison e a poltrona Poline. Um tapete criado pelo trio interliga os ambientes e dá  um efeito visual impactante.