Luiza Maria Barcellos, Clara Gerchman e Antonio de Paula Machado

A Mul.ti.plo Espaço Arte, no Leblon, inaugurou ontem, dia 28, uma exposição de obras raras de Rubens Gerchman. A mostra reúne gravuras, obras em papel, uma pintura e uma escultura do artista brasileiro, pouquíssimo (ou nunca) vistas. A seleção foi feita em parceria pela galeria e por Clara Gerchman, filha do artista e diretora geral do Instituto Rubens Gerchman – que preserva sua obra e seu legado –, cobrindo um período que vai do fim da década de 1960 até pouco antes de sua morte, em 2008. Entre as obras expostas, a tela Now burn, baby, burn, de 1968; a escultura Ar, de 2000; a série de quatro gravuras da Suíte Triunfo Hermético (ArTerraManWomanGnosis), realizadas a partir do registro do filme Triunfo hermético, que Gerchman fez em 1972; e a gravura Nova Acrópole. “Não há uma preocupação cronológica, mas conceitual e temática. A mostra é um recorte de sua carreira, de épocas que tiveram como fio condutor essa poética visual, presente em diferentes suportes ao longo dos anos”, diz Clara Gerchman. “O que mais chama a atenção no trabalho de Gerchman é sua liberdade de experimentação. Ele sempre extrapolou procedimentos, passeava por todas as possibilidades sem se impor um limite. O que vemos na mostra retrata bem isso, em peças que são relíquias de colecionador”, afirma Maneco Muller, consultor da galeria. A mostra vai até o dia 17 de março.

Confira nas fotos de Diana Sandes.

[nggallery id=1531]