Os 49 ambientes da  CasaCor Rio Grande do Sul 2019 tecem uma prosa natural, que transita entre materiais rústicos, cores vivas e marcantes. Seu caráter pé no chão propõe uma arquitetura verdadeira, próxima e tangível.

Sua familiaridade tem raízes de concreto, visto que apodera-se o Hospital da Criança Santo Antônio, em Porto Alegre – que, desocupado desde 2002, é patrimônio histórico da cidade. 

Nesta edição, o cru e o aveia foram eleitos como tons base. Eles contracenam com tijolos aparentes e marcados tons de azul, vermelho e verde – além de uma pluralidade vibrante de cores que ilumina a edição como um todo.

O acabamento e o mobiliário em madeira reaparecem em oportunidades diferentes, revelando um apreço pela atemporalidade do material e a brasilidade que carrega. Inclusive, o made in Brazil se fortalece na visão dos profissionais, conversando com referências ao clássico francês e do design italiano, entre outras matrizes.

Ainda há lugar para espaços integrados e multiuso, em lofts e apartamentos inteiros, que delineiam espacialmente a mostra. A CASACOR Rio Grande do Sul está de portas abertas de 23 de julho a 8 de setembro.

                                             

Studio Slim – Daniel Wilges. O esquema monocromático surpreende no studio de 50 m², com paredes de textura aveludada. O traçado conciso e linear, assim como a transparência do vidro, suaviza a presença de materiais característicos do profissional: cimento queimado, rochas e a madeira natural no assoalho.

 

A Sala Do Luiz – Izabela Pagani. O ambiente de 31 m² homenageia Luis Fernando Verissimo e seu universo, que envolve interesses como jornalismo, crônica, desenhos e música. Vários móveis são em Pau Ferro, madeira utilizada na produção de instrumentos musicais. A mesa de centro Clev tem design de Luan Del Savio, em aço carbono com lâmina de jequitibá. Ao fundo, acima do banco em acrílico, a pintura Uma Mãe Extremosa, de Glauco Rodrigues, retrata a família do escritor. A mesma parede inclui fotos e outras obras do acervo pessoal de Luis. A poltrona Verissimo é inspirada no lugar em que o pai, Erico, corrigia seus manuscritos. Foi produzida pelo Studio Ha.Fatto em veludo verde.

 

Linear House – Renato Ferrari. A linearidade foi a solução encontrada para organizar todos os espaços em uma casa de 3 metros de largura por 18 de comprimento, totalizando 56 m². Para quebrar o padrão, a cozinha ficou entre a sala de jantar e o living, afirmando-se como o coração da casa. Para otimizar ainda mais a área, a iluminação foi distribuída em rasgos nas paredes, como um elemento geométrico adicional. O piso foi elaborado em Tauari de reflorestamento

 

 

Lavabo Tri Suave – Marilia Zimmermman. O ponto de partida veio da arquitetura do prédio histórico, com suas varandas de arcos sequenciais, citados nos espelhos do ambiente. Outra inspiração veio das cores favoritas do ano, que protagonizam o espaço. A iluminação cumpre o papel de trazer movimento e profundidade. Repare no piso com pequenas peças de porcelanato em seis tonalidades, da coleção JoyMz, assinada pela arquiteta.

 

Casa Roma – Francisco Franck. O nome remete ao conceito da arquitetura internacional e nas peças que bebem da fonte do design italiano. Alguns exemplares são o sofá Bernard de Ricardo Bardal, além do banco Canoe e das poltronas Open, ambos de Marcelo Ligieri. As luminárias também são do berço do design, de marcas como Flos, Foscarini e Fontana Arte. Como pano de fundo, piso em Peroba Rosa dourada e paredes revestidas em couro, quartzito e granito em grandes chapas.

 

Singular – Aclaene Mello e Gabriela Ordahy. Neste espaço único, todo o mobiliário é assinado, seja pelas arquitetas ou com design de Bruno Faucz (poltrona Patagônia), Ana Revello e Renato Salvio (cômoda Buon Giorno). Algumas paredes foram deixadas inacabadas, intencionalmente, o que trouxe um ar sofisticado e provocador. Para equilibrar, painel escultural em ripas de MDF. A curadoria de obras de arte, inclusive, é um ponto forte, trazendo telas originais de Tomie Ohtake, Paulo Becker e outros nomes.

 

Felicità – Joana Deicke e Maria Manoela Bento Pereira. Living e gabinete compartilham 56 m², exibindo o calor da madeira nas treliças que vestem as paredes e nos tacos de Tauari no piso. Outro material natural que se impõe é o mármore Donatelo escovado, que ocupa a lateral do espaço onde fica a lareira. A mesa tem design de Ronald Sasson, que também assina a poltrona.

 

Tempo de Estar – Marcelo Polido e Ana Hnszel. Moderno, amplo, fluido. É assim que a dupla define este living, que dialoga com o clássico sem perder o ar cosmopolita. Materiais com acabamento cru convivem com tecidos leves, em harmonia com vários móveis brasileiros. Entre eles, as poltronas Paraty e Vronka de Sergio Rodrigues.

 

Casulo nº5 – Daiana Arnold e Roberta Arnold Schell. O número 5 representa sensações e transformações, o que faz todo o sentido nesta loja de fragrâncias. As estantes e banquetas de J.Marcon conferem versatilidade ao espaço. A experiência se realiza na interação com os materiais nobres, como o mármore Travertino Romano e as luminárias artesanais em pedra marroquina, por Marcele Muraro.

 

Apartamento de Inverno – Paula Lino. Forros e painéis de madeira natural garantem um ambiente mais aquecido, no apê de 54 m². Algumas paredes foram revestidas em tecido e outras em MDF no tom chamois, semelhante à laca. Os objetos e vários móveis vieram de coleções da família da arquiteta.

 

Casa Gaia – Luiz Senttinger. Gaia é a deusa que personifica o planeta Terra, segundo a mitologia grega. Nesta casa para um casal, camadas de texturas, cores, luz e formas orgânicas procuram resgatar a harmonia natural. As paredes existentes foram revestidas com painéis amadeirados, incluindo o padrão inspirado em uma madeira submersa por vários anos. O pé direito alto garante a sensação de amplitude, no espaço de 230 m². Ao fundo, a poltrona Moleca de Sergio Rodrigues revestida em camurça. As telas são de Gelson Radaelli.

 

Oásis Urbano – Mariana Ordahy. Oásis reais ou imaginários, quando alcançados, são garantia de paz e prazer estético. Com esta proposta, este ambiente contemporâneo e minimalista une área de convivência e lavatórios. O extenso sofá Balaton ganhou couro verde e ganha o apoio dos bancos Iron, do designer Maurício Bomfim. No alto, a prateleira em aço escovado garante lugar para o jardim suspenso. No lado oposto, a bancada em mármore escovado abriga louças e metais DECA.

 

Estar Piscina Natural – José Paulo Tesche. O jardim de quase 500m² é uma extensão natural da casa. O estar de 45m² se concentra junto à piscina natural, com plantas, pedras, cascata e areia branca. O deck foi construído com madeira Itaúba, que recebeu acabamento acinzentado, com a tela retrátil controlando a iluminação. O paisagismo é da arquiteta Daniele Colombo.

 

A Sala – Livia Bortoncelo. O ambiente representa a busca de qualidade de vida, enfrentando a passagem acelerada do tempo. A composição simétrica fica evidente com os dois sofás Valentino, tendo ao centro uma lareira em limestone no tom Mocca Cream. Cortinas em linho, o papel de parede da Designers Guild e os acabamentos em tons de champanhe e perolado trazem ainda mais conforto. A tela Metamorphose é do artista Juliano Lopes.

 

 

Hygge – Camila Sanguiné, Heloisa Bocomy e Juliana Carvalho. A expressão dinamarquesa que dá nome ao espaço representa aconchego, contentamento, bem-estar. Tudo o que se encontra neste espaço de 45 m². O layout estimula atividades gostosas como conversar, ler, sentir o calor do fogo. O contato com a natureza emana do piso de madeira, da parede em pedra natural rústica, tecidos em linho, camurça e couro. De um lado, cadeira Tiss do Studio Zanini. Do outro, poltrona Virtus de Emerson Borges. A luminária Sim de teto tem desenho de R&E Bouroullec para a Flos.

 

Sala com Arte – Renato Melo. Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Victor Brecheret, Di Cavalcanti, Burle Marx, Iberê Camargo, Alfredo Ceschiatti, Carybé, Alfredo Volpi, Tomie Ohtake. É extensa a lista de grandes nomes representados por suas obras neste espaço, que mostra como um apaixonado por arte exibe sua coleção. A estante iluminada possui nichos e prateleiras coloridos da linha desenvolvida pela estilista Isabela Capeto. Sofá Lev, do Studio América, e a luminária Sly, de Ronald Sasson, revelam que o olhar cuidadoso também está na escolha dos objetos.

 

 

Sala Brasileira – Caroline Kreling. O espaço celebra o design nacional e sua bagagem, oferecendo aos visitante um panorama recente. Reúne peças icônicas como as poltronas Bola de Latão, de Lina Bo Bardi, ao lado de criações mais contemporâneas. Entre elas, o aparador aéreo Elle de Jader Almeida, compondo com a tela de Paulo Pasta; e o aparador da Nada se Leva, junto com o quadro de Xandalú. Ao centro, mesa do Estúdio Bola. Materiais característicos do Brasil são valorizados, como a madeira Pau Ferro, o latão e a palha natural.

 

  

Cozinha Prosa Entre Vinhos – Michel Reis Eberharth. Ressignificando as experiências vivenciadas em uma cozinha, o ambiente visa à multifuncionalidade e o convite à permanência. Busca servir de palco para os diferentes momentos do usuário, em que a praticidade e a agilidade são necessárias. Mas também pode ser lugar interação e prazer, ou seja, uma boa prosa ao degustar um bom vinho.

 

Estar Íntimo Le Blanc – Gustavo e Carol Heck. A brasilidade do mobiliário encontra o clássico francês. No piso, tacos de madeira natural Cumaru foram paginados em espinha de peixe. Algumas paredes foram revestidas com marcenaria e aplicações de boiseries, enquanto outras receberam telas tencionadas. Destaque para a escultura de parede Pétalas, do escritório Heck Arquitetura, feita em pedras translúcidas iluminadas reaproveitadas.

 

Sala Íntima – Eliana Machado e Isadora Machado. Neste estar com TV, o painel estofado garante o conforto acústico. O teto ganhou um acabamento perolizado em laca automotiva, que foi uma experiência de criação do escritório, que desenhou todo o mobiliário – inclusive o sofá. Em alguns pontos, foi aplicada a lâmina Pau Ferro com acabamento alto brilho, suavizando a altura do pé direito para um ar acolhedor.

 

Jantar em Amigos – Graziella Yllana Hecher e Rodolfo De Conto Hecher. No espaço de 33 m², a ilha central é o principal ponto de encontro. Ela foi lapidada como um cristal raro, em Quartzito Montblanc, completando a mesa. A madeira natural aparece em praticamente todas as superfícies, explorando diferentes tonalidades de pau ferro, ipê, carvalho e técnicas de marchetaria, entre outros acabamentos. A gravura em vidro tem assinatura de Cabral. Já a escultura em mármore branco é de Xico Stockinger.

 

LaVie en Rose – Andrea Magalhães. Um living moderno com referências românticas é a intenção do projeto. Para compor esta atmosfera, a arquiteta aliou a madeira a revestimentos como mármore, laca com acabamento fosco e brilhante. Palha natural e as clássicas boiseries em laca nas paredes convivem naturalmente. Algumas paredes ganharam uma cobertura de couro natural. O sofá e a poltrona Sintra vêm na companhia das mesas de centro de Bruno Faucz.

 

Sala Íntima – Vanessa Luft. Com apenas 19 m², este espaço versátil permite várias atividades, como ler, descansar, curtir a lareira e estar sozinho ou com a família. Todas as paredes ganharam acabamento em laca alto brilho, material que também colabora com o conforto acústico. Outro destaque é o grande volume suspenso em mármore, na parede que abriga a lareira a álcool. Do lado oposto, a fotografia Praia Branca é do paulista Luciano Mota.

 

Biblioteca da Família – Andreia Winter. Para se conectar consigo e com as leituras, um ambiente com tons terrosos, luz indireta e a vibração da natureza nos tijolos naturais. Além dos livros, a arte tem papel fundamental – as fotografias são do artista Roberto Pazzi e o quadro com impressões em páginas de livros antigos é do irlandês Pat Byrne.

 

Suíte Nature – Fernanda Paim e Elisa Martins. Além da natureza, o balé é a paixão da menina que habita o espaço. O aconchego vem da verdade dos materiais, como tijolos de demolição, cimento queimado no piso e detalhes em pedra natural na sala de banho. A divisória de serralheria separa, sem interromper a visão, a área de dormir e o closet.

 

Suíte SPA Kairos – Sandro Jasnievez. Na mitologia grega, Kairos é o deus to tempo oportuno e indeterminado. Aqui, além de closets e salas de banho individuais para o casal, a suíte ganhou uma sauna seca, que prolonga o momento de autocuidado.

 

Suíte Mon Amour – Cintia Aguiar. Para descansar, um quarto aconchegante que integra um closet aberto, com paredes revestidas em pedra. Destaque para a poltrona em balanço Capadocia, com design de Roque Frizzo. Outro ponto alto, literalmente, são as luminárias com acabamento red gold.

 

Suíte Master Casulo do Casal – Rogério Pandolfo. Os materiais naturais criam um refúgio, aliados às características valorizadas do imóvel. A textura marcante dos tijolos de demolição foi revelada na parede, e as janelas originais são outro destaque. A cama com design italiano e a banheira se aproximam e ocupam o mesmo espaço, com tons neutros garantindo a fluidez visual. A escultura em bronze acima da cama é do artista Gustavo Nakle.

 

Suíte Conceito Sheraton – Bibiana Menegaz. A partir das características essenciais a um hotel, o projeto proporciona ao viajante um espaço de pertencimento. Os tons quentes da madeira são acentuados pela iluminação eficiente, ao mesmo tempo em que os geometrismos vêm nas tapeçarias. Repare que, acima dos painéis amadeirados, os tijolos maciços lembram da história do espaço original. A artista Cristina Dalligna assina telas inspiradas em Porto Alegre.

 

Home Office do Casal – Fernando Ghiggi, Luciana Consigo e Renata Troggian. Um espaço para trabalhar e, ao mesmo tempo, relaxar e se conectar com a natureza, na proposta que afirma o design biofílico. Nestes 18 m², a impressão é de estar no sótão de casa, com aconchego e peças escolhidas. Entre elas, a mesa Flow, criada pelo escritório, ocupa lugar de destaque. A cadeira Ângela é de Aristeu Pires. Na iluminação, peças com design de Jader Almeida, como a Penn e a Memory.

 

CasaVinteCinco – Juca Cruz. Para se adaptar às constantes mutações e evoluções do dia-a-dia, o ambiente se equilibra na força das linhas simples e nas dualidades de cores. Texturas abraçam a autenticidade, como a pedra Kouros que veste algumas paredes. Outro pilar é a tecnologia, pois tudo pode ser controlado pelo celular e pela voz. No mobiliário, poucas e boas peças. Entre elas, o branco domina na poltrona Kazz, de Luan Del Salvio, e no sofá Choice, do Studio Ha.Fatt

 

Escada da Casa – Melina Knopp. O significado de lar passa pelo acolhimento, mesmo neste ambiente de passagem com 52 m². Painéis amadeirados no tom Castaine contrastam com o mármore Calacata no piso e na escadaria. No espelho, reflexo do pendente criado pela arquiteta, com 250 peças em vidro suspensas. A tela Antelope Canyon é do artista André Bastian.

 

Loja de Arte – Jéssica Müller e Gabriella Badaraco. As profissionais mostram a história da edificação ao expor estruturas e paredes descascadas, com algumas superfícies renovadas em tons terrosos. Os arcos do jardim inspiraram o formato das portas no ambiente, aproveitando o revival deste elemento da arquitetura da década de 1950. Mesas e bancos são criação do próprio escritório, em rocha verdadeira e serralheria.

 

Adega e Boulevard Gastronomia – Carolina Gehlen. Dos antigos castelos e regiões de cultivo de uvas na Europa veio a referência do espaço. Cada centímetro dos 110 m² é bem aproveitado com o auxílio da marcenaria – inclusive o teto é lugar de armazenamento dos rótulos. Ela explora a contemporaneidade do MDF, com efeito tridimensional de padrões minerais de granito e mármore.

 

Pane Pizza – Luciana Pestana. O estilo industrial prevalece na pizzaria, de apenas 32 m². Nos revestimentos foram utilizados metais, madeira e tijolos com malha de ferro sobreposta, amenizados pelos quadros verdes e a iluminação direcionada em tons quentes.

 

Oslo Living Bar – Paula Queruz, Cristina Campos, Renata Dias e Rua Barcellos. Os tijolos aparentes trazem a imediata sensação de acolhimento neste espaço que remete a uma casa, com 53 m². A luz baixinha dos abajures de Sebastian Wrong, da Flos, deixa o clima mais intimista e convivial, ao redor das mesas de Francisco Pinto.

 

Yard Cafe – Márcio Moreira. Este café-bistrô de 90 m², com inspiração francesa e ao mesmo tempo tropical, recria o jardim do antigo hospital. Tons vibrantes a teoria da arquitetura policromática de Le Corbusier, como o teto verde profundo, paredes em laranja terroso e boiseries em um cinza rosado. Cores que casaram com o concreto aparente, madeira de cumaru, metal e couro, presentes nas superfícies e no mobiliário. Várias peças são assinadas por Aristeu Pires. Ao fundo, pratos de porcelana pintados resgatam a importância das mulheres na origem destes pequenos restaurantes.

 

Espaço Comercial (Fibraplac) – Helade Lorenzoni. Ponto de descanso, área de selfie e a arquitetura contemporânea com referências ao Art Déco oferecem ao visitante uma experiência agradável com a marca. O ambiente foi desenvolvido no interior da caixa de MDF no padrão Nogueira, enquanto o piso reaproveita madeira de demolição. As fotografias em grande formato são de Fabio Petr.

 

EG Experience Arauco – Jéssica Santos. O ambiente foi pensado para aproximar o chef de seu público em eventos de gastronomia. Daí a atmosfera intimista e arrojada. No piso, um porcelanato com aparência de cimento e pedra desgastados. Já as paredes ganham painéis de MDF com textura de couro, destacando a mesa em madeira e as cadeiras Daniella em imbuia, de Aristeu Pires.

 

Espaço RCorrea – Siden Arquitetura. A antiga capela do hospital é tombada pelo patrimônio histórico municipal e, neste projeto, sua história é resgatada. Para isso, o espaço foi preservado, atualizado e conectado ao novo projeto que a construtora irá implementar no terren

 

Waterway – Fernando Thunm. O exterior do ambiente corporativo foi transformado em um espaço de convivência e contemplação. O circuito que abraça as árvores originais de grande porte também convida a conhecer as outras vegetações que renovaram o espaço de 570 m².

 

Docevita – Rafael Krot. O quarto é um dos lugares mais importantes da casa e se conecta diretamente à intimidade. Aqui, se define pelo conforto e pela combinação agradável entre modernidade e tradição. O piso em madeira natural conduz a experiência, junto com linho natural e mármore brasileiro em alguns detalhes. As obras de arte são um capítulo à parte, trazendo nomes como Iberê Camargo e Siron Franco.

 

Espaço Skylo Kids – Juliana Moura. O espaço favorece a interação das crianças com os materiais naturais, ao mesmo tempo em que trabalha uma temática urbana. A marcenaria é feita de compensado naval, com detalhes em laca fosca. Os quadro pilares estruturais foram transformados em árvores. As Balance Bikes de bambu foram produzidas por Thiago Alves Rampel.

 

Espaço Greta – Dioni e Danielle Garros. A sensação é de eternidade neste home office, pensado para reunir a família e inspirado na estrela de cinema Greta Garbo. O período mais importante de sua carreira se faz presente no espaço, da Belle Époque ao Art Déco. Eles são demonstrados na estante metálica com laca e na escrivaninha em porcelanato e filetes em dourado. Outro detalhe marcante é a cortina feita à mão com elos em metal.

 

Bureau Hopman – Guilherme Lopes. Linhas retas, tons sóbrios e mobiliário confortável definem o espaço, que integra três ambientes para atividades cotidianas ou receber amigos em reuniões de trabalho. Destaque para o tapete autoral e a lareira suspensa.

 

Clínica Medica – Erika Listo. Os ambientes médicos estão cada vez mais humanizados e, aqui, o clássico encontra novas tendências. Os revestimentos de melamina no padrão Louro Freijó conversam com placas cimentíceas e móveis de desenho contemporâneo. Os espelhos potencializam a função das divisórias, que também colaboram para a amplitude visual. No consultório, a tela Cinco Mulheres é de Benno Pferscher

 

CASACOR Rio Grande do Sul 2019  –  fotos: (Cristiano Bauce) 

De 23 de julho a 8 de setembro/2019

Av. Ceará, 1549 – Porto Alegre/RS