Hoje, 14 de dezembro, serão colocados na Escola Municipal Tasso da Silveira, às 14h, os azulejos resultantes de seus desenhos, que irão compor o segundo painel, inteiramente produzido por eles, no pátio da nova edificação da escola. Os alunos vão se reunir na sala de artes, que conta com forno de cerâmica e mobiliário doados pelo Ateliê Azulejaria, que desenvolveu o projeto junto aos alunos. “Agora os alunos vão ‘redescobrir’ seus desenhos nos azulejos”, conta a arquiteta urbanista Laura Taves, fundadora e diretora artística do Ateliê Azulejaria.

Os desenhos originais dos 1.060 alunos da Tasso da Silveira que integraram o Projeto “Escola Agora|Escola Ágora”, concebido e coordenado por Laura, vão integrar um painel de 34 metros de comprimento e 1 metro e 70 centímetros de altura, com capacidade para aproximadamente três mil azulejos, “em uma escala que dá para ser vista de perto pelos alunos, tanto no novo pátio da escola como na praça ao lado, na ‘ágora’, o conceito de praça na Grécia Antiga”, diz Laura. Ela explica que além dos desenhos dos alunos, os azulejos terão seus nomes e turmas, assim como desenhos dos professores, funcionários e colaboradores da escola, que também participaram projeto.

Um mês após a tragédia ocorrida em 7 de abril deste ano, e com a decisão da Prefeitura de construir um anexo ao antigo edifício da escola, que entraria em reforma, a RioUrbe propôs à Laura que desenvolvesse um projeto de painel de azulejos para a fachada principal do novo prédio. Com 120 metros quadrados, esse primeiro painel feito com 5.560 azulejos foi construído a partir “de muito trabalho e da inspiração vinda dos primeiros contatos com os alunos, seus desenhos, e a vitalidade expressa no seu envolvimento”, comenta ela.

Depois de duas oficinas feitas em cada uma das 36 turmas da escola e mais de 100 desenhos e estudos para a fachada concebidos por Laura, o painel ficou pronto. “Os desenhos dos alunos eram tão incríveis, tão belos que, junto com a arquiteta Teresa de Vassimon, da RioUrbe, e a Carioca Engenharia, responsável pela obra, encontramos o lugar ideal para eles: o muro do novo pátio da escola, a ágora”, conta a responsável pelo projeto.

Laura chegou a fazer mais de 100 projetos para a fachada da escola. “Foi um processo incrível, doloroso, emocionante, enfim, o processo criativo. Só que nesse caso tinha a expectativa de toda uma escola que havia acabado de sofrer um grande trauma. Era unânime, nas reuniões que fiz com os professores e toda a equipe da escola, que o painel não seria um memorial, e sim algo que representasse o espírito da escola. E eu fui descobrindo ao longo do tempo que esse ‘espírito’ era incrível, não só dos alunos, mas também de toda a equipe, da direção à segurança, especial”, lembra ela.  “Desde o início o trauma era evidente e aos poucos percebemos que todos tiveram que amadurecer de forma brusca devido à tragédia que foi de fato vivida por todos. Mas, apesar de tudo, os desenhos eram alegres, de celebração, superação, e de verdadeiro amor à escola”.