A menina Laura, de 4 anos, nunca chegou a usar seu quartinho de 11m2 quando bebê. Como o local foi usado por ela como sala de brinquedos, desta vez, os pais (ele, engenheiro, 40 anos; ela, Luana, designer de moda, 36 anos) pediram para o escritório @KellyFigueiredoArquitetura fazer um quarto mais divertido, que a fizesse passar mais tempo nele. Amigos da arquiteta paulista desde que ela mudou para o Rio de Janeiro, eles também pediram uma cama de solteiro em cima e uma cama de casal embaixo para que eles próprios pudessem dormir ali eventualmente ou alguma outra companhia, já que a menina não gosta de passar a noite sozinha. Já Laura, que é muito ativa, pediu duas coisas à arquiteta: um escorregador e uma tela de escalada. Os pais autorizaram apenas o escorredor, que foi incluído no projeto.

 

     

A família mora neste apartamento localizado no Grajaú, bairro na Zona Norte do Rio, desde o casamento dos pais. Quando a mãe Luana ficou grávida, ela solicitou à arquiteta um quarto de bebê para receber a primeira filha do casal. Na ocasião, foi feito o painel em madeira pinus com alguns nichos e um telhado que imita casinha. O restante do mobiliário era solto, incluindo a cômoda azul do antigo escritório do casal, que na época foi transformada em trocador de fraldas.

 

O objetivo principal do novo projeto era, portanto, aproveitar ao máximo os itens do antigo quarto. A arquiteta manteve o painel existente e removeu metade do gesso do teto para ganhar mais altura e assim acrescentar o sonhado mezanino. Com isso, foi possível ainda criar novos nichos no próprio painel, que agora chega até a laje do quarto. Também foram reaproveitados as luminárias (incluindo a arandela em forma de nuvem) e o armário, que um dia foi a cristaleira da casa. Havia a necessidade ainda de criar mais espaços de armazenamento para os pertences da Laura: o painel de madeira pinus ganhou novos nichos para acomodar livros, três caixas com rodinhas foram executadas em MDF para organizar os brinquedos, um armário foi projetado embaixo do escorregador para guardar as fantasias e os degraus da escada foram preenchidos com gavetas para acomodar roupas e calçados. O quarto conta ainda com uma cozinha infantil embaixo do mezanino e um espaço para a menina desenhar, com direito à mesa, cadeira e painel de fórmica branca tipo lousa (que ocupa toda a extensão de uma parede, até meia altura). A rede com função de guarda-corpo foi executada em corda de algodão cru.

 

A marcenaria foi executada em madeira pinus e mdf de dois tons (rosa milkshake e areia, da Guararapes) e as paredes pintadas com tinta azul e branco. “O objetivo foi deixar a base da decoração mais neutra, já que quarto de criança geralmente já é bastante colorido”, explica Kelly, que classifica de Boho Kids o estilo da decoração. “Meu maior desafio neste trabalho foi acrescentar o mezanino no espaço, pois não havia altura suficiente para isso. Tive que medir a altura da menina para simular se a ideia seria viável ou não. Felizmente, no final, deu tudo certo”, acrescenta ela.

Segundo a arquiteta, entre elaborar e aprovar o projeto foram consumidos 2 meses, em média. Já a execução, incluindo a finalização da decoração, levou apenas 1 mês.

 

Fotógrafo:  @Denilson MachadoMCA, do @mca_estudio