Nessa quarta-feira,  3 de agosto, foi a abertura da exposição coletiva “Jogos do Sul” no Centro de Arte Hélio Oiticica com curadoria de Alfons Hug e Paula Borghi.  A exposição propõe uma reflexão sobre o impacto social de um mega evento como as Olimpíadas e as interferências que podem causar na cidade-sede e em seu cotidiano.

 

Entre as obras que serão apresentadas pelo time de artistas, estão Rap em Guarani, Cabo de Guerra Robótico, Futebol, 32 tabuleiros de Xadrez, Estilingue, Maratona Infinita pela cidade, Arco e Flecha, etc. A exposição pretende provocar uma reflexão sobre o chamado “modelo olímpico”, formado pelo binômio “beleza atlética x massa feliz”.

 

Esse outro olhar para além da beleza do esporte teve início em 2015, durante os Jogos Mundiais Indígenas, realizados em Palmas, TO, quando os curadores Alfons Hug e Paula Borghi convidaram artistas e cientistas para assistirem as disputas. “Jogos do Sul” cruza os Jogos Mundiais Indígenas, em sua originalidade e autenticidade, para propor um contraponto: explorar o tema do esporte fora dos grandes estádios e clubes – numa atmosfera em que competir é mais importante do que ganhar ou perder, ou do que contar medalhas. Num momento em que o jogo é inocente, basta-se a si mesmo e o esporte aflora espontaneamente.

 

Longe de competir com o megaevento olímpico sediado no Rio de Janeiro, “Jogos do Sul” propõe uma outra vertente. A partir da experiência dos jogos indígenas, apresenta-se uma oportunidade de refletir sobre o espírito dos Jogos Olímpicos, hoje transformados num megaevento cuja repercussão está mais ligada à retórica política e ao marketing das cidades-sede do que a uma interação saudável entre indivíduo e sociedade. “Não queremos negar a capacidade do esporte olímpico de produzir grandes narrativas e cenas sublimes. A mostra busca banir o espírito de Riefenstahl, que desde Berlim (1936), permeia a coreografia dos Jogos Olímpicos representada pela combinação entre um corpo “belo” e a massa “feliz”. Afirma Alfons.

 

Oito artistas brasileiros, uma cineasta brasileira, um artista boliviano, uma artista alemã, um artista singapurense, um artista suíço, uma socióloga brasileira e uma antropóloga portuguesa formam time de artistas que tornou possível, a partir do encontro entre as artes visuais, o esporte e a cultura indígena, criar um corpo de obras que visa apresentar esse contraponto ao espetáculo olímpico.  Veja a galeria de fotos de Paulo Jabur.

 

Serviço:

Exposição Jogos do Sul

Duração: 03/08 a 22/10

Local: Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

Rua Luís de Camões, 68 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20051-020

Telefone: (21) 2242-1012 / 2232-4213

Horário de funcionamento:

Segunda, quarta e sexta de 12 às 20h

Terça, quinta e sábado de 10 às 18h

Curadoria: Alfons Hug e Paula Borghi