O caderno Rio informou em reportagem: “Um belo palacete carioca, construído entre 1909 e 1913, que vem passando por obras de restauração, agora também terá seu mobiliário e acervo de obras de arte recuperados. O governador Luiz Fernando Pezão decidiu aproveitar a reforma do Palácio das Laranjeiras para cuidar de dezenas de peças, muitas delas raras, como antecipou Ancelmo Gois, em sua coluna no GLOBO. O palácio virou residência oficial depois que o presidente Juscelino Kubitschek se recusou a permanecer no Palácio do Catete, após o suicídio de Getúlio Vargas. De acordo com Pezão, a importância das obras é imensurável. — Todas as peças do mobiliário e de decoração fazem parte de um grande conjunto arquitetônico. A reforma do Palácio das Laranjeiras só estaria completa quando tudo fosse restaurado. Além de patrimônio do estado, os objetos fazem parte da história do Rio e do Brasil. Não podemos deixar que a força do tempo degrade bens tão preciosos — diz Pezão. Entre as peças que serão recuperadas está a mesa, em talha dourada com tampo de mármore Royal Rouge, na qual, em 13 de dezembro de 1968, foi assinado e feito o anúncio oficial do AI-5, pelo então ministro da Justiça Gama e Silva”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Rio/Reportagem: Alessandro Lo-Bianco/27/09/14