A Revista informou em matéria: “O centro das atenções da sala de estar de uma cobertura em Ipanema são os peixinhos coloridos que nadam de um lado para o outro dentro de um aquário de mil litros. Dois deles, aliás, parecem ter saído das águas de “Procurando Nemo” (2003): um “sósia” do personagem principal, da espécie peixe-palhaço, nas cores laranja, preto e branco; e um blue tang, igual ao azulzinho batizado de Doris no filme. A casa, dá para perceber, tem crianças, mas a paixão pela vida marinha entre as quatro paredes (de vidro) não é só dos pequenos. A sugestão, acolhida pela família, partiu do arquiteto Jairo de Sender. — Gosto muito da ideia de trazer a natureza para dentro de casa. É diferente de ter um cachorro, o peixe traz serenidade ao ambiente, apesar de exigir muito cuidado — comenta Jairo. O caso não é isolado. Em meio ao calor, aquários caseiros de água doce ou salgada em salas (de jantar e estar), escritórios, quartos de adolescentes e até na copa, como os que ilustram as páginas desta reportagem, revelam projetos de decoração minimalistas, pensados para abrigar a vida debaixo d’água”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Revista O Globo/Reportagem: Carolina Ribeiro/07/12/14