A Revista O Globo publicou em reportagem: “Alguns veem num balanço o valor afetivo das memórias de infância, outros estão apenas em busca de um embalo relaxante mesmo, e há também quem recorra à peça só para dar um toque inusitado à decoração. Seja lá qual for o motivo de cada um, o fato é que essa ideia de ficar para lá e para cá vem conquistando mais adeptos, e o balanço ganha agora espaço também dentro de casa. Só no evento Morar Mais (ex-Morar Mais por Menos), que abre nesta sexta-feira na Pequena Cruzada, na Lagoa, a peça está presente em quatro ambientes. Designer que assina o modelo Bilanx com Guilherme Sass, Rodrigo Calixto confirma, pela procura em sua Oficina Ethos, que o balanço agora vai muito além do jardim: — Dos 29 que já vendemos, 20 foram para áreas internas. Oficialmente, o balanço pode ainda pertencer, como antigamente, aos domínios do velho quintal (o modelo da Oficina Ethos foi o vencedor do Salão Design Casa Brasil 2013 na categoria Móveis para Área Externa), mas a liberdade de reinventá-lo e usar onde bem  entender está sendo colocada em prática por aí, em salas e quartos da cidade. André Carvalhal, diretor de marketing da Farm, pendurou um Bilanx em sua sala de estar, a da foto que abre esta reportagem. A peça, que vem com a incrição em latim ‘Tempus fugit’ (‘O tempo voa’, atendendo à evocação da infância pretendida pelos designers), é sustentada por cordas da marca francesa Cousin Trestec e custa entre R$ 2.150 e R$ 2.500 na Oficina Ethos. Em versão mais econômica, mas ainda em espaços inusitados, o balanço do quarto criado por Vivianne Pontes e Viviane Visentin para o Morar Mais faz as vezes de criado-mudo. — Queríamos usar algo não convencional, por isso escolhemos essa solução, para dar uma modificada nessa história — diz Vivianne Visentin”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Revista O Globo/ Reportagem: Cláudia Amorim/ 22/09/13