O site da Veja Rio informou em matéria: “Se somarmos todos os bens tombados do Rio, a conta fechará em quase três mil itens sob proteção municipal, estadual ou federal. Não é de hoje que existe uma publicação, de periodicidade irregular, que reúne em um livro informações sobre cada um. Mas pela primeira vez o Guia dos Bens Tombados da Cidade do Rio de Janeiro, que acaba de ser lançado em sua quinta edição, ganha uma versão em inglês e um aplicativo para smartphone, já disponível para ser baixado gratuitamente. Tanto no guia impresso quanto no digital, é possível acessar informações – um breve histórico, endereço, data e esfera de tombamento – sobre tudo o que está protegido na cidade, da estátua do Cristo Redentor à fábrica de chocolates Bhering, na Zona Portuária, desativada desde 1990. “Temos seguido uma política de patrimônio que olha para todo o Rio. No subúrbio, por exemplo, há um acervo de bens culturais materiais e imateriais essenciais à memória da cidade”, diz Washington Fajardo, presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH). Ele dá como exemplo a igreja art-déco Nossa Senhora de Bonsucesso, com sua torre escalonada, de 1930. Da quarta para a quinta edição, o guia ganhou 220 novos bens materiais e imateriais. Quando foi lançado pela primeira vez, em 1992, eram 461 itens – seis vezes menos que hoje. “A questão da proteção ao patrimônio ganhou força no Brasil nas últimas décadas. O guia é uma ferramenta importante, entre outras coisas, para a cidade se conhecer melhor”, diz Fajardo. São mais de dois mil bens arquitetônicos, 23 bens imateriais – como o Jongo da Serrinha, por exemplo – e cerca de 200 estátuas, monumentos, coretos, fontes e chafarizes espalhados por 84 bairros da cidade. O aplicativo tem o mesmo conteúdo da versão impressa. Nele, é possível encontrar os bens tombados mais próximos, fazer busca por nome, bairro ou endereço e aprender o caminho até os locais. O livro, que terá oito mil exemplares, pode ser adquirido na sede do IRPH, na Rua Gago Coutinho, 52, 3º andar, em Laranjeiras”. Leia mais no site.

Fonte: Veja Rio/17/02/14

http://vejario.abril.com.br/especial/de-bracos-abertos/novo-guia-bens-tombados-rio-773708.shtml