Um dos profissionais mais queridos da cidade, Chico Vartulli falou ao Radar Decoração sobre sua vida, carreira, sonhos e sobre o que acha do mercado de decoração e arquitetura no Rio. “O mercado carioca cresceu muito e a cada dia que passa temos novidades, lojas novas, designers talentosos surgindo, tudo num estilo bem praiano como é o do carioca. O Rio por si só já é uma decoração perfeita, ou seja, eternamente decorada”.

 

RD: Por que você escolheu a arquitetura?
C.V: Sempre gostei de lidar com o belo, com criação. Então acho que na arquitetura podemos expressar melhor isso que está dentro de nós.

 

RD: Como você define seu estilo e qual foi o caminho que percorreu para desenvolvê-lo?
C.V: Meu estilo é um pouco eclético. Minha preferência é o clean, o moderno, mas sempre procuro atender o cliente vendo seu perfil. O caminho percorrido foi através de análise e estudo em cima daquilo que aprecio chegando até o meu estilo.

 

RD: Entre tantas fontes e possibilidades que temos atualmente, de onde vem a sua inspiração? Como você faz suas escolhas?
C.V: A minha inspiração sempre aparece quando sento para criar. É aí que aviagem começa e procuro desenvolver o que acho que tem haver com o projeto. Faço minhas escolhas através de pesquisas e viagens, usando aquilo em que estou antenado para colocar no projeto. Um bom estudo sempre é importante. Não podemos parar no tempo.

 

RD: Como você se informa sobre o mercado de decoração?
C.V: Adoro viajar, ver o que está acontecendo mundo afora. Também tem a internet, que ajuda muito a obter boas informações. Também gosto de uma boa leitura em sites, revistas e coisas relacionadas ao mercado.

 

RD: Quais você acredita serem as peculiaridades do mercado carioca? Qual o  papel ou importância do Rio dentro do mercado brasileiro de arquitetura e decoração? O que falta nesse mercado?
C.V: O mercado carioca cresceu muito e a cada dia que passa temos novidades, lojas novas, designers talentosos surgindo, tudo num estilo bem praiano como é o do carioca. O Rio sempre foi super importante na arquitetura. Só de termos aqui celebridades nascidas e que fizeram bons ou excelentes trabalhos nessa área, como Lúcio Costa ou o eterno Oscar Niemeyer, entre outros, já é um privilégio. Acho que a única coisa que falta é um incentivo dos  governantes, dando maior liberdade aos profissionais. O Rio por si só já é uma decoração perfeita, ou seja, eternamente decorada.

 

RD: Qual o estilo da sua casa? O que você gosta de ter nela?
C.V: É um estilo clean sem muitas informações, mas adoro telas abstratas de talentosos artistas plásticos.

 

RD: Fale um pouco do trabalho como coordenador do Polo Lido Art Déco.
C.V: Estou adorando essa nova função, em que posso levar pessoas para conhecerem as pérolas do Lido nesse estilo. Fui convidado pelo presidente do Polo Lido para fazer esse trabalho e agarrei com força total, pois várias pessoas não sabem o que tem escondido pelas ruas do bairro. É importante mostrar o Art Déco com mais informações, agora  partindo mais para as universidades, onde alunos não têm acesso ou oportunidades de chegar a essas portarias valiosas para seus estudos.

 

RD: Conte um pouco sobre os projetos que está fazendo. Algum que curte em  especial? Algo que sonha em fazer e ainda não fez?
C.V: Agora estou fazendo um grande escritório de advogados em Botafogo e estou adorando, pois os proprietários adoram peças de design brasileiro, dão valor a cada objeto, se interessam pela montagem dando opinões bárbaras. É uma boa junção. Curto muito fazer o trabalho como palestrante em universidades do Brasil. Amo ver as pesoas  interessadas, ligadas no que está rolando. Adoro poder ajudar ou mostar o  caminho. Realmente é um trabalho que curto muito. Um sonho seria poder fazer parte da equipe de profissionais de Berlim que está montando e recriando a nova cidade, um lugar que amo e frequento muito. Vejo uma cidade destruída pela guerra e depois dividida em duas partes e agora com um visual superdiferente e bela, onde toda essa equipe a cada dia cria uma coisa nova.

 

RD: Quantos anos de carreira você tem? Qual o maior aprendizado nesse tempo?
C.V: Tenho 18 anos de profissão. O maior aprendizado para mim éque não gosto de para de aprender, sempre estou ligado em tudo fazendo algo em que acredito e amo.