Segundo reportagem do caderno Rio, “designer de formação, e ativista de direitos humanos e justiça social de longa data, a americana Cynthia Smith encontrou em um museu de Nova York o lugar ideal para conjugar sua dupla atuação. No Smithsonian Cooper-Hewitt, National Design Museum, único nos Estados Unidos dedicado ao design contemporâneo e à história da atividade, Cynthia se tornou curadora de design socialmente responsável em 2009, dois anos depois de ter realizado lá a exposição “Design para os outros 90%”, uma referência à parcela da população que não costuma ser atendida por esse tipo de projeto. Antes de chegar ao Cooper-Hewitt, ela passou mais de dez anos fazendo projetos de design e planejamento multidisciplinar para instituições culturais. Em seu engajamento político, chegou a disputar uma eleição para líder distrital. Decidida a integrar seus interesses, a designer voltou a estudar e se formou na Harvard University’s Kennedy School of Government. Hoje, Cynthia é uma referência para quem busca uma visão e uma atuação engajadas no universo do design”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Rio/Reportagem: Fabíola Gerbase/23/10/13