Em reportagem sobre a questão habitacional e urbanística da cidade, o caderno Rio informou:  “Se o aspecto visual impressiona, a ausência de fiscalização preocupa. O processo crescente de verticalização das áreas de favela no Rio, com edifícios que nem de longe lembram as antigas casas nas comunidades, reacendeu o debate sobre a questão habitacional e urbanística na cidade. Especialistas consideram um risco para os moradores e um prejuízo para o município a proliferação de edifícios sem acompanhamento técnico e legal do poder público”. Segundo a matéria, “para o presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), Sérgio Magalhães, o que se vê hoje com o processo de verticalização é a ação do “capitalismo selvagem”, na qual o crescimento acontece sem regras ou participação do poder público para regular as relações entre os agentes — no caso, empreendedores e moradores”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Rio/Reportagem: Fábio Vasconcellos/21/07/14