O site do caderno Ela trouxe em reportagem: “A Barra é o endereço da 23ª edição do Casa Cor Rio que acontece de 10 de outubro a 18 de novembro, mudando de estilo depois de ocupar prédios históricos. Desta vez, será na Península, um sub-bairro, que, pasmem, tem o tamanho do Leblon — só de área verde são 780 mil metros quadrados. Saem então casas de paredes descascadas, pisos detonados e pé-direito altíssimo e entram em cena, apesar das dimensões generosas, apartamentos. Patricia Mayer, uma das organizadoras do Casa Cor, explica que os apartamentos foram totalmente desconstruídos pelo arquiteto Mario Santos, que criou novas plantas para os moradores fictícios. — Nossa proposta é apresentar múltiplas maneiras de morar. Estamos mostrando que a Barra é uma solução diferente, cômoda, uma saída da Zona Sul — diz Patricia. — A Península é um lugar preservado, ecólogico, com áreas abertas amplas. Quem mora aqui não precisa sair, tem tudo o que precisa ao redor. Outro diferencial é que quase todos arquitetos puderam criar livings, varandas e cozinhas integradas, quando antes tinham que se restringir a apenas um ambiente. E desta vez o estranho no ninho, mas muito bem-vindo, é o arquiteto paulista Roberto Migotto, que assina um pied-à-terre cosmopolita”. Leia mais no Globo Online.

Fonte: O Globo/ Ela/ Reportagem: Suzete Aché/09/10/13

http://ela.oglobo.globo.com/vida/arquitetura/tons-de-cinza-estantes-jardins-verticais-sao-destaques-do-casa-cor-2013-10306232