O caderno Rio trouxe em reportagem: “”O prefeito anunciou que o Porto Maravilha deverá deixar de fazer parte do Projeto Olímpico e propõe que os 2.800 quartos destinados aos árbitros e parte da mídia que vai cobrir o evento sejam levados para a Barra da Tijuca. A proposta será levada à comissão de inspeção do Comitê Olímpico Internacional (COI) esta semana. O IAB é contra. O senhor acha que a decisão trará prejuízos para o Porto e até mesmo para a cidade? A questão central é que as Olimpíadas, assim como a Copa, são um momento muito especial, que mobiliza muitos esforços e esperanças e as expectativas da população, não apenas com relação aos eventos esportivos, mas com relação às mudanças que a vida da cidade pode ter em função dos eventos. Quando se anuncia que uma cidade vai ser sede olímpica, fica uma expectativa em torno dos benefícios que isso vai trazer e das melhorias na qualidade de vida da população”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Rio/Reportagem: Simone Candida/17/03/14