Jeunes filles au piano, 1892. 116 x 90 cm Pierre-Auguste Renoir

O Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro inaugura hoje para convidados e dia 23 para o público a exposição “Impressionismo: Paris e a modernidade”, que traz pela primeira vez ao Brasil e à América Latina 85 peças do acervo do Museu d’Orsay, um dos mais visitado do mundo e detentor da maior coleção de pinturas impressionistas. Sucesso em São Paulo, com 320 mil visitantes em 54 dias, a exposição apresenta um panorama detalhado da pintura impressionista e pós-impressionista.

Maior projeto da história do CCBB e acontecimento sem precedentes na história cultural brasileira, a mostra fica no Rio até 13 de janeiro de 2013. A exposição ocupará integralmente o primeiro andar da instituição, podendo ser vista de forma continuada pelo visitante. O segundo andar dará espaço à cronologia do movimento, consulta bibliográfica e às atividades do CCBB Educativo. A rotunda do prédio terá uma cenografia especial criada pela brasileira Virgínia Fienga, arquiteta responsável pelo novo projeto do Museu d´Orsay. Uma mostra de cinema impressionista também fará parte da programação.

“Impressionismo: Paris e a modernidade” é dividida em seis módulos, sendo três deles dedicados à vida na metrópole: “Paris: a cidade moderna”, “A vida urbana e seus autores” e “Paris é uma festa” apresentam o dia a dia marcado pela construção de grandes boulevards, mercados, jardins públicos, cafés, óperas e bailes. São as vistas do rio Sena e da catedral de Notre-Dame de Paris retratadas por Pisarro e Gauguin; as cenas burguesas de Renoir; o cotidiano mundano das prostitutas em quadros como Femme au boa noir, de Toulouse-Lautrec; e as bailarinas de Degas e as plateias dos cabarés e teatros representadas em La troisième galerie au théâtre du Chatelet, de Félix Vallotton.

Os outros três módulos – “Fugir da cidade”, “Convite à viagem” e “A vida si­lenciosa” – mostram trabalhos de artistas que escaparam do ritmo acelera­do de Paris para uma vida calma e reservada. Entre os artistas que buscaram a tranquilidade do campo como forma de inspiração estão Claude Monet, que se mudou para Argenteul, no interior da França, e depois para Giverny; Van Gogh, que decidiu seguir para Arles, com a finalidade de formar uma colônia de ar­tistas; Gauguin e Émile Bernard, que foram viver na Bretanha; e Cezanne, que voltou a Aix-en-Provence para redescobrir a luz. Já um grupo de artistas do movimen­to Nabi (palavra que significa “profeta” em hebraico e árabe) escolheu privi­legiar o universo interior, dedicado à leitura, à música e à vida em família.

A mostra tem curadoria de Caroline Mathieu, conservadora-chefe do Museu d’Orsay, Guy Cogeval, presidente do Mu­seu d’Orsay, e Pablo Jiménez Burillo, diretor geral do Instituto de Cultu­ra da Fundación MAPFRE, trazendo ao Brasil um conjunto inédito de obras emblemáticas do impressionismo que dará ao público a possibilidade de entender e conhecer melhor um dos mais importantes movimentos artísticos do século XIX. Organizada com obras do Museu d’Orsay, conta com a colaboração científica da própria instituição e da Fun­dación MAPFRE.

Impressionismo: Paris e a Modernidade

Obras-Primas do Acervo do Museu d’Orsay de Paris, França

Abertura: 22 de outubro de 2012

Visitação: 23 de outubro a 13 de janeiro de 2013

Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro

Rua Primeiro de Março, 66 – Centro – Rio de Janeiro – RJ

Terça-feira a Domingo, de 9h às 21h

Informações: (21) 3808-2020