O caderno Serra publicou em reportagem: “A profissão de ferreiro existe há, pelo menos, dois mil anos antes de Cristo, mas quem pensa que ela saiu de moda está completamente enganado. Com a popularização de materiais industriais como o plástico e o acrílico, as peças artesanais de ferro se tornaram mais raras, sim, porém, muito mais valorizadas. Renato Martins, morador de Itaipava,  sabe bem disso. Economista por formação,ele se apaixonou pelo trabalho com ferro nos anos 70. De lá para cá, tornou-se um dos profissionais mais requisitados por arquitetos da região para criar e produzir projetos usando metal. — Faço luminárias, bancos, qualquer coisa. Não vendo as peças diretamente. Trabalho apenas com a encomenda de projetos — diz”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Serra/ Reportagem: Gabriel Menezes