A coluna Beira-mar divulgou em nota: “Não é só a atuação de Glória Pires, no papel da arquiteta homossexual Lota de Macedo Soares, que tem dado o que falar em Flores Raras. Desde que estreou, há três semanas, o longa deixou os herdeiros de Roberto Burle Marx revoltados. É que o filme conta a história da construção do Aterro do Flamengo e nem sequer cita o paisagista, que fazia parte da equipe de Lota e era o responsável pelos jardins do parque. ‘O diretor pode fazer o que quiser, mas omitir um fato tão importante como esse é grave. É uma questão de história, do reconhecimento de uma figura tão importante que não pode ser esquecida’, lamenta Haruyoshi Ono, um dos sete beneficiários do espólio. Do seu lado, o diretor Bruno Barreto argumenta: ‘Não nos propusemos a fazer um documentário, e sim uma obra de ficção, em que licenças são tomadas em nome da narrativa. Tive de suprimir mesmo um par de cenas que talvez deixassem mais calmos os ânimos’. Leia mais na Veja Rio.

Fonte: Veja Rio/ Beira-mar/ 04/09/13

http://vejario.abril.com.br/edicao-da-semana/beira-mar-751882.shtml