Segundo matéria do caderno Morar Bem, “um levantamento feito pelo Secovi Rio mostra que, em um período de cinco anos (entre abril de 2012 e o mesmo mês de 2017), o tamanho médio dos apartamentos de um quarto caiu 8,2%. No entanto, ao mesmo tempo, este tipo de imóvel apresentou uma das maiores valorizações no preço do metro quadrado de venda, o que demonstra uma maior demanda do público por espaços compactos.

A sociedade mudou e os projetos refletiram esta mudança. As famílias diminuíram com o passar do tempo e há mais casais que optam por não ter filhos. O quarto de empregada não tem mais uso. Além disso, houve um grande aumento nos preços do terrenos, então foi natural que as construtores fizessem imóveis menores— explica Jerônimo de Moraes, presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU/RJ).

Não à toa, nos lançamentos destes imóveis, as construtoras lançam mão de apartamentos decorados para tentar provar aos potenciais compradores que é possível viver confortavelmente em espaços reduzidos. Basta investir em móveis certos e soluções arquitetônicas.

Claudia Albertini (arquiteta que assina as unidades decoradas do Urban Boutique Apartments, da MDL, e UP Barra, da Even) defende que, neste tipo de apartamento, é preferível deixar a ambientação neutra tanto no mobiliário fixo quanto nas paredes, e pôr cores mais fortes apenas nos objetos de decoração como banquetas, pufes e almofadas.

— Com moderação, os pontos de cor não interferem. O apartamento não fica cansativo de olhar, não enjoa no dia-a-dia e se resolve. Um sofá de cor forte, por exemplo, começa a carregar demais — explica ela, lembrando que, no caso do condomínio Urban, as unidades tipo estúdio têm tamanhos entre 35 e 54m²”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Morar Bem/ Por Ana Carolina Diniz/ 07/05/17