O caderno Amanhã trouxe em reportagem: “Morando no Brasil há 10 anos, o alemão Hans Rauschmayer, diretor da empresa Solarize, queria saber como funcionava, na prática, a microgeração de energia. Descobriu por experiência própria. Ele mesmo concebeu, em parceria com o engenheiro Paulo Marcial, o projeto da primeira instalação solar conectada à Light no Rio, que começou a  funcionar no início de agosto. Instalado em sua casa em Santa Teresa, o sistema de microgeração usa painéis fotovoltaicos com potência de 2kW. A expectativa é de que gere, na média, 228kWh por mês, superando o consumo da casa em 40% (o excesso será injetado na rede da concessionária, criando um crédito a ser usado à noite ou em até 36 meses). Ainda é difícil de medir os resultados, já que a radiação solar varia muito de um dia para o outro, dificultando a comparação entre previsão e rendimento. Mas as experiências durante os primeiros 25 dias confirmaram a primeira  estimativa. Com geração de 160kWh, correspondeu à média mensal da casa — O Brasil ainda não abriu os olhos para enxergar as grandes vantagens da energia solar: geração distribuída, em locais  onde já existe a rede de transmissão e onde ocorre o consumo — avalia Hans. — Substituir grandes empreendimentos por microgeração evita problemas ambientais ou com povos indígenas. Contabilizar tudo isto vai mudar a visão de que a energia solar seja cara. A iniciativa foi possível depois da Resolução 482, aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica em 2012, que permite  qualquer pessoa instalar um sistema de microgeração usando fontes renováveis e obriga as concessionárias a receber esta energia. Hans  acredita que a medida mudará a lógica de transmissão de energia, transformando os consumidores em fornecedores. Aos interessados em seguir seus passos, ele aconselha procurar uma empresa com experiência para  elaborar o projeto da instalação. — Além da energia solar fotovoltaica, é importante avaliar o uso de aquecimento solar, que ainda dá um retorno mais rápido”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Amanhã/ Reportagem: Bolívar Torres/ 10/09/13