A Revista O Globo publicou em reportagem: “Se antes o pé-direito alto era um empecilho para projetos com paredes, esquadrias e portas totalmente de vidro, hoje o sofisticado maquinário das vidraçarias permite a criação de altos painéis. Cresceram o comprimento e a qualidade do material. Cada vez mais comum na decoração de ambientes amplos, o vidro vem sendo procurado com a finalidade de integrar áreas internas e externas de residências e de apartamentos, dando a sensação de que a natureza está dentro de casa. Mas sem calor, frio ou mosquitos. Engana-se quem pensa que o vidro vai, obrigatoriamente, elevar a temperatura do lugar. É claro que grande parte dos arquitetos escolhe áreas com menor incidência de raios solares para realizar seus projetos (ninguém quer que o sol fique na cara do cliente), mas novas tecnologias permitem que o ambiente interno tenha uma temperatura até 10 graus inferior do que a do lado de fora. O contrário também vale: em casas envidraçadas na serra, o frio não chega à sala. — Óxidos metálicos são colocados nas placas de vidro durante a fabricação e têm intensa proteção térmica. Há óxidos que não interferem na transparência do vidro e há outros com variação de cor. A gente evita usar insulfilm porque vai descolando com o tempo — explica a arquiteta Rosane Servino”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Revista O Globo/Reportagem: Júlia Amin/03/07/16