A coluna Em Casa publicou em reportagem: “Bem projetada, a lareira pode virar a menina dos olhos da sala de estar. Rústica ou com toques moderninhos, elas agradam a todos, especialmente no frio da Serra. Em Teresópolis, o engenheiro Ricardo Simões construiu uma de madeira, simples, que consegue um ar jovial por estar numa parede pintada em tom berinjela. Ele afirma que, na hora de escolher o tamanho da lareira, deve-se levar em conta as dimensões da sala e a altura do telhado. Se a lareira ficar grande demais, gastará muita lenha. Se ficar pequena demais, não aquecerá. Outro aspecto fundamental é evitar o retorno de fumaça para dentro de casa. — É importante ainda que a lareira nunca fique entre os sofás, impedindo as pessoas de se verem e de conversar — diz Simões. Já em Guapimirim, a rústica lareira foi criada pelo arquiteto Rodrigo Cavalheiro a partir de uma grande pedra existente no terreno”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Serra/ Em Casa/ 31/08/13