Segundo nota publicada na coluna Gente Boa, no Segundo Caderno, a interferência positiva do homem na paisagem fez o Rio ganhar a classificação de Patrimônio da Humanidade, mas nem sempre a cidade foi feliz nesse relacionamento. Washington Fajardo, do Patrimônio do município: “A extremidade do Parque do Flamengo é o pior exemplo urbanístico do Rio. Do MAM até o Santos Dumont o que se vê é um monte de construções feias e puxadinhos, é um trecho mal resolvido à beira mar”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Segundo Caderno/ Gente Boa