A galeria Mercedes Viegas Arte Contemporânea abre hoje, dia 2, a exposição “Fragmentais”, a quarta exposição individual do artista plástico carioca Luiz Monken na galeria. A mostra, que fica até o dia 2 de abril, é composta de aproximadamente vinte obras inéditas construídas a partir de elemento comum, a cerâmica industrializada. O artista, que vem trabalhando há alguns anos na elaboração de objetos, esculturas e instalações, explora a cerâmica industrializada em suas cria­ções, corta, quebra, fura, arranha, fragmenta, cola, agrupa ou tece para reconstruir no­vas superfí­cies com tex­turas, tramas, orifícios, volumes e planos.

São fragmentos mentais, que se decompõem primeiramente e em seguida se realizam no pensamento criativo do artista. São plane­jados, idealizados, não aleatórios. Na obra “Volta”, de 2016, um dos destaques da ex­po­sição, é possível ob­ser­var certa desconstrução reorganizada, quando o artista utiliza cacos de cerâ­mica colados em tira de lona, que, quando fixa­da na parede ganha volume peculiar.

Luiz Monken recebeu premiações importantes, a exemplo do Prêmio IBRAM (2011), IV Salão de Goiânia (2002), Prêmio Interferências Urbanas, RJ (1993) e XIII Salão Nacional de Artes Plásticas. Tem obras na Coleção Gilberto Chateaubriand e museus. Realizou várias exposições individuais e coletivas no Rio, São Paulo e exterior. O artista é representado pela Galeria Mercedes Viegas há 12 anos.