O caderno Ela trouxe em reportagem: “Há dez anos, quando Liliana Rodriguez comprou a Fazenda São Luiz da Boa Sorte, em Vassouras, encontrou uma construção em ruínas (‘Era praticamente um escombro’), sem portas, janelas, maçanetas ou telhado. Ficou oito anos investindo na reforma e restauração, até que conseguiu trazer à baila toda a pompa da rica fazenda de 1835, que, para  comprovar que já fez bonito no tempo dos barões, mantém uma aleia de palmeiras imperiais no caminho que leva à sua porta principal. — Comecei a reforma pela capela, que tinha até gado dormindo dentro. Fui então para o telhado da casa grande. Em seguida, recuperei metade dos móveis que ainda estavam lá. Em busca de peças originais, descobri até pedras de cantaria jogadas nos pastos — conta Liliana. Aberta à visitação desde que foi levantada, a fazenda, que já participa do Festival Vale do Café há temporadas, terá um algo a mais na edição deste ano, que começa dia 14 e vai até 30 deste mês: a Casa Real. O evento paralelo será meio que uma mostra de decoração a partir da ambientação da residência, como se fosse a fazenda de um barão bem de vida do século XVIII e XIX”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Ela/ reportagem: Livia Breves/ 06/07/13