O Morar Bem divulgou em reportagem: “A ligação entre a nanotecnologia e uma demão de tinta pode ser muito mais ´próxima do que se imagina. Nos últimos anos, os fabricantes desses produtos mergulharam numa verdadeira revolução tecnológica até chegarem a uma cartela de produtos que reluz como infinita a olhos nus. Há tintas sem cheiro, ou com secagem em tempo recorde e, ainda, outras com propriedades térmicas. Isso sem falar na variedade cada vez maior de tons e cores. — A indústria deste setor está em constante evolução e desenvolvimento, para atender tanto às necessidades dos consumidores finais quanto dos pintores — observa o presidente-executivo da Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas, Dilson Ferreira. Ele afirma que, para dar conta dessas demandas, as fábricas passaram a investir em laboratórios equipados e modernos, onde desenvolvem seus produtos. Um forte exemplo, segundo ele, são as tintas com funções térmicas, capazes de absorver e repelir o calor. — Nestas, estão sendo empregados princípios da nanotecnologia — ilustra ele. Um dos exemplares disponíveis no mercado é a Metalatex Eco Telha Térmica, da Sherwin-Williams. O produto é vendido com a promessa de refletir a energia solar, mantendo a temperatura mais amena, no verão, e transferir a energia absorvida pela telha para o ambiente interno, no inverno. Segundo o fabricante, a linha reduz em até 30°C a superfície pintada e em 1°C a temperatura interna”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Morar Bem/Reportagem: Eduardo Vanini/26/06/16