A Revista divulgou em matéria: “O designer Bruno Faucz tem uma obsessão assumida pelos detalhes, pelo pequeno toque que pode virar protagonista da peça e fazer toda a diferença. — Meu processo criativo é marcado por esta busca incessante. O que puxa o olhar da pessoa para aquele móvel? — define. — Eu persigo o detalhe, como uma cinta, um botão, um pendente, o acabamento escondido atrás da cadeira. Uma rápida avaliada na carreira do catarinense de 28 anos recém-completados e conclui-se que os “olhares” estão sendo conquistados com louvor, de quem entende do assunto. Faz pouco mais de um ano que ele abriu o próprio estúdio e seu nome já surgiu por aqui dividindo espaço com os grandes do design nacional, como Sergio Rodrigues, Claudia Moreira Salles e Carlos Motta, nas lojas especializadas da cidade. Não para por aí. O rapaz entrou no rol dos finalistas do prestigiado prêmio brasileiro Salão Design (com a poltrona Cavalera), foi convidado para expor nas semanas de design de Nova York e Paris, e outra de suas poltronas (a Canela) entrou no livro “Design brasileiro de móveis”, da editora Olhares. A publicação, com organização do galerista Marcelo Vasconcellos e do designer Zanini de Zanine, conta com os principais destaques em mobiliário de assento de 1928 a 2013. Zanini lembra da surpresa ao saber a idade de Bruno: — Quando vi suas obras pela primeira vez, jurava que tinham sido desenhadas por um veterano. Ele tem uma maturidade incompatível com alguém que nasceu em 1986 — elogia. — Ele usa o couro e a madeira de uma forma muito autoral, que agrega e resgata a brasilidade na sua forma mais genuína”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Revista O Globo/Reportagem: Isabela Caban/05/10/14