Segundo nota da coluna do Ancelmo Gois, “a obra que estava sendo feita no casarão onde a nossa poetisa Cecília Meireles morou com o seu segundo marido, Heitor Grillo, no Cosme Velho, foi  embargada pelo Instituto Rio Patrimônio da Humanidade. É que a prefeitura diz que não tinha autorização. Aliás, o IRPH recebeu denúncias e constatou que o bem, tombado pelo município, estava em péssimo estado de conservação. A fachada, repare só, está sem revestimento, com chapisco sobre tijolos maciços, além de a cobertura e as esquadrias terem sido danificadas, o que descaracteriza o imóvel. Cecília morou ali de 1946 até 1964, quando morreu. Neste casarão, ela organizou uma biblioteca com dez mil livros. É pena ver toda essa falta de cuidado”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Rio/ Ancelmo Gois/ 16/05/13