O caderno Ela publicou em matéria: “Paraty se desdobra em muitas. E agrada a todos: dos que buscam a verve refinada de uma constelação de escritores, que a partir de quarta circularão por suas pedras irregulares, aos que querem é beber na fonte as melhores cachaças do país. Ou os dois. E por que não? Impulsionada pela visibilidade que ganhou como palco da Flip, a Feira Literária Internacional de Paraty, o pequeno município de pouco mais de 30 mil habitantes anda colhendo frutos promissores. E providências, como a recém-aberta Livraria das Marés, um projeto da arquiteta Bel Lobo, quatro mil títulos de livros (com curadoria luxuosa de Kiki Machado, da Timbre) expostos pelos 200 m² de um casarão histórico, que ganhou ainda uma deliciosa cafeteria ao fundo, com jardim, mesinhas e cardápio assinada por nada menos do que o chef belga Fred De Maeyer, do Eça. Mais: quatro casarões adiante, outra grata novidade. Lá está a chef Claudia Mascarenhas no comando do novo Quintal, restaurante lindo (Jacobsen Arquitetura), com cardápio brasileirissímo, recheado ainda de produtos locais (não conhecia nenhum deles), como a farinha Graúna (a primeira a parar na mala), os arrozes do Vale do Paraíba…”.Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Ela/Reportagem: Luciana Fróes/26/07/14