O blog da Lu Lacerda informou em nota: “Apesar de estarmos no verão – aliás, de vivermos no verão -, usar pele é sempre muito interessante. Desculpem-me os ecológicos, mas a pele é um resultado real antes da industrialização do couro. Eu gosto muito de usar pele em várias situações: desde a forração até jogada em cima de um pufe ou sofá. Adoro pele no chão, em frente à praia, ou na montanha, onde sempre dá um charme a mais – direto no chão ou em cima de um tapete de sisal. A pele dá um ar de despojamento com elegância, sem falar que é super-resistente. Um tapete de pele dura infinitamente mais que um de sisal. Apesar de adorar o sisal, é importante sempre conservá-lo com um cuidado maior que a pele. A loja Empório Beraldin tem um coleção deslumbrante, de vários tamanhos e cores. Quando vemos um pequeno tapete, podemos até pensar que foi de um novilho abatido etc… Porém, quando usamos um couro, nem sua procedência temos. Gosto de lojas que trabalham direto com frigoríficos sérios, onde o abate segue todas as exigências. E a Beraldin é uma dessas lojas. Usar pele exige um critério de escolha da loja que a vende. Quando se trata de qualquer material orgânico, gosto de saber de todo o processo até a sua venda. Contudo, o uso pode e deve ser bem livre, de acordo com o estilo da sua casa. Mostro alguns projetos de praia e montanha nos quais o uso da pele deu o mesmo charme e elegância”. Leia mais no blog.

Fonte: Lu Lacerda/31/12/13

http://lulacerda.ig.com.br/em-casa-por-marcia-muller-segunda-pele/