Segundo matéria do Morar Bem, “se antes para mudar a planta de um apartamento era preciso enfrentar meses a fio de obras, sujeira e bagunça, agora a tendência é que o morador entre na nova  casa com as paredes colocadas onde ele quer. Cada vez mais, o comprador já pode se mudar para um imóvel com tamanho de sala que atenda ao seu estilo de vida, número de quartos adequado ao seu perfil, enfim, pode optar por um projeto quase feito sob medida para ele. Isso porque as construtoras no Rio estão flexibilizado cada vez mais as plantas para atender seus clientes. E uma coisa puxa a outra. Bom para os moradores, que ganham acesso a uma planta livre para moldar como queiram, e, bom para as construtoras, que conquistam espaço entre os clientes. O presidente da  Associação de Dirigentes do Empresas do Mercado Imobiliário do Rio (Ademi-Rio), João Paulo Matos, explica que isso evita gastos e desgaste para ambos. Depois da estrutura já ter sido montada, nem sempre é possível fazer mudanças. Caso seja, uma nova obra vai encarecer e até mesmo atrasar a entrega do imóvel. Na maioria das ofertas de planta livre, diz Matos, não há custos adicionais.
Mas o preço final pode aumentar se o cliente optar por materiais específicos e mais caros para o acabamento. Embora boa parte destes empreendimentos sejam voltados para um público de classe de renda alta, a tendência já é marcante também à classe média”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/ Morar Bem/ Reportagem: Raphaela Ribas/ 14/07/13