O caderno Rio trouxe em matéria: “Elas são só fachadas. Literalmente. Construções das quais sobrou unicamente a casca: ocas, sem teto, desprezadas, mas repletas de histórias. O Rio está cheio de imóveis assim, espalhados por bairros históricos, do Centro à Glória, de São Cristóvão à Lapa, em recantos escondidos ou em ruas movimentadas. Em apenas seis horas circulando por essas regiões, uma equipe do GLOBO anotou 20 prédios e casas que, abandonados, ruíram quase completamente. Na Gamboa, apenas na Rua do Livramento são quatro imóveis dos quais pouco restou. À beira da Via Binário, um galpão em restauro da Fábrica de Espetáculos do Teatro Municipal também só tem fachada até agora. Na Lapa, o teto do número 33 da Mem de Sá, em frente aos Arcos, desabou. Já o sobrado da esquina das ruas Gomes Freire e do Senado continua de pé graças ao escoramento com uma estrutura metálica, o que se repete na esquina das ruas do Riachuelo e dos Inválidos”. Leia mais no jornal O Globo.

Fonte: O Globo/Rio/Reportagem: Rafael Galdo/18/10/15