A Veja Rio publicou em matéria: “A expressão ‘obra de igreja’ se presta a descrever uma reforma arrastada, daquelas que demoram bem mais que o tempo necessário ou em que não se vê evolução no dia a dia. É o caso da centenária capela de São Pedro de Alcântara, no câmpus da UFRJ na Praia Vermelha, atingida por um incêndio em 28 de março de 2011. O fogo, cujo estopim foi um maçarico usado por um operário que soldava a estrutura de sustentação do telhado, causou um estrago inestimável. No altar ficava uma imagem de São Pedro de Alcântara de mármore de Carrara, feita pelo artista alemão Ferdinand Pettrich (1798-1872), autor também de esculturas e bustos de personalidades do Império. Tanto a peça do santo quanto os demais ornamentos e o belo mobiliário do templo foram inteiramente consumidos pelas chamas. Quase dois anos depois do ocorrido, o panorama de terra arrasada permanece. Outra parte do Palácio Universitário exibe o mesmo cenário desolador. O espaço no térreo logo abaixo da igrejinha virou um almoxarifado, com cadeiras, mesas e computadores velhos depositados em seu interior. ‘Era um dos raros templos em estilo neoclássico do Rio com o interior preservado. Foi uma tragédia’, lamenta o historiador Milton Teixeira”. Leia mais na Veja Rio.

Fonte: Veja Rio/ Cotidiano/ Reportagem: LetíciaPimenta/ 20/03/13

http://vejario.abril.com.br/edicao-da-semana/capela-ufrj-cotidiano-736366.shtml